FAÇA UMA VIAGEM ESPIRITUAL A FINDHORN, NA ESCÓCIA



FAÇA UMA VIAGEM ESPIRITUAL A FINDHORN, NA ESCÓCIA

publicado em 20-02-2014
No norte da Escócia existe uma pequena vila chamada Findhorn. Dizem que, há muitos anos, ela se transformou de um monte de areia em uma terra saudável e próspera. Magia ou vida real, a verdade é que, quem já foi lá, jura que é um lugar com energias espirituais intensas. 
É o caso de Patrícia Stanquevisch (na foto, à esquerda), que viajou em 2013 à vila para fazer parte da Semana de Experiência, um evento organizado pela Fundação Findhorn,  uma comunidade espiritual, centro de aprendizagem eecovila. São sete dias que prometem mudar a vida de quem participa. 
“Essa semana superou todas as minhas expectativas! Senti como se tivesse entrado num mundo de livros. Em Findhorn, você tem contato com seres invisíveis que transformam tudo o que precisa ser transformado dentro de você naquele momento”, conta a paulistana. 
Fundada há 52 anos por três pioneiros - um casal com dois filhos pequenos e uma amiga -, a Fundação Findhorn trabalha com a natureza para despertar o mais alto potencial humano. Daí que a Semana da Experiência – que se repetirá em agosto de 2014 - é a maneira ideal de partilhar momentos espirituais com pessoas de todo o mundo.
Durante essa semana, os participantes praticam meditação, dança sagrada e fazem passeios na natureza. Além de aprender a viver numa comunidade completamente autossustentável, é possível fazer parte de muitos aspectos da vida diária de Findhorn, como a inclusão, por quatro manhãs, em um dos departamentos da comunidade – jardim, cozinha, sala de jantar, cuidados ou manutenção da casa – dando oportunidade de praticar o chamado "Amor em Ação" e interagir com outras pessoas na comunidade. Todos poderão vivenciar os princípios sobre os quais a comunidade se assenta: escuta interior, conexão com toda a vida e vida inspirada. 


O objetivo é fazer cada participante sentir-se parte de um grupo receptivo, tudo isso combinado com risadas, amor e novas formas de ser.
“Me senti parte de algo maior, sem limites geográficos, e aprendi a viver”, diz Patrícia. “Aprendi a fazer parte do mundo, um lugar que é composto por um relacionamento entre nós humanos e os seres da natureza. Foi uma experiência que eles chamam de “Amor em Ação”, algo muito especial que foi um milagre dentro de mim, pois refletiu em tudo o que tenho hoje na minha vida.”
Outra pessoa que recomenda a experiência é Sâmia Rios (na primeira foto, ao lado de Patrícia). “Conhecer Findhorn era um sonho antigo, que teve início quando li o livro da cofundadora da Fundação Findhorn, Dorothy Maclean, ‘Comunicação com os Anjos e os Devas’. No ano passado, decidi celebrar meus 50 anos com essa viagem. Foi uma experiência inesquecível, que mudou a minha vida de forma profunda. Trouxe “Amor em Ação” para o meu cotidiano e inspiração para seguir em frente. Minha conexão com todos os reinos que habitam o planeta tornou-se muito mais consciente depois de conhecer Findhorn.”


A experiência foi tão positiva que Patrícia e Sâmia não podem deixar de partilhar com o mundo e levar outras pessoas a viver o mesmo. Por isso, hoje elas são facilitadoras do grupo Comer, Meditar e Amar, que está organizando uma viagem ao local, aberta a todos que queiram participar. 
“Quando pensamos em criar o grupo, foi pela forte percepção de que as pessoas merecem estar em Findhorn. E estamos nos esforçando para que isso aconteça. Por isso, todo o roteiro é pensado de forma a integrar cada pessoa à energia de lá, desde a chegada à Escócia até a volta ao Brasil, para que ela se mantenha focada no que o seu coração está dizendo o tempo todo”, explica Patrícia. “É importante ir disposta a participar plenamente desta semana ativa e enriquecedora, para doar-se e se envolver com os demais. O objetivo é desfrutar de um ambiente que permite que você encontre um sentido mais profundo e se abra para uma transformação dentro de si mesmo e do grupo.”
A Semana de Experiência ocorre de sábado, dia 30 de agosto de 2014, até sexta à noite, dia 6 de setembro. O programa inclui acomodação partilhada por sete noites e todas as refeições, desde o almoço de sábado até o café da manhã no sábado de partida. Os participantes devem chegar antes do meio-dia no primeiro dia da Semana de Experiência, para que o grupo possa começar junto. 
“Esta viagem é um convite para abrir mão de limitações, abrir-se para o amor e ser a mudança que você quer ver no mundo,” conclui Patrícia.
Para saber mais informações sobre a viagem para Findhorn, entre em contato com o grupo através de e-mail ou pelos tels.: 11/ 99897-1456 ou 11/ 99938-9151.


Fotos: Patrícia e Sâmia praticando o "Amor em Ação" (primeira foto, à esquerda); um charmoso santuário da natureza em Findhorn (segunda imagem, à direita); um castelo escocês é a vista de um dos passeios nas proximidades de Findhorn (última foto, à esquerda).

Confira os vídeos do programa Good News, da Rede TV, sobre a Fundação Findhorn:

Vila sustentável de Findhorn, no norte da Escócia








FONTE:HTTP://WWW.MULHERVIAJANTE.COM.BR/?Q=ARTICLE/FACA-UMA-VIAGEM-ESPIRITUAL-FINDHORN-NA-ESCOCIA

Fundação Findhorn

Findhorn Foundation é uma associação sem fins lucrativos, cujos membros mantêm um modo e vida comunitária e de partilha. Foi uma das primeiras ecovilas a serem formadas, e hoje uma das mais importantes, sendo um exemplo em diversas diversas áreas como sustentabilidade, economia local e educação holística. Se tornou também conhecida pelo seu trabalho com as plantas e na comunicação com a Natureza, constituindo, actualmente, um centro de educação espiritual e holística que vive e trabalha em estreita colaboração com outras organizações e indivícom o intuito de participarem em seminários (workshops) e retiros.
No decorrer dum período de desemprego no qual o casal constituído por Peter e Eileen Caddy se dedicou à prática de agricultura orgânica como forma de reforçar o orçamento familiar, perto de Findhorn, no nordeste daEscócia, deram origem à formação duma comunidade.
Essa experiência revelou-se tão eficaz e notável que acabou por atrair a atenção da opinião pública inglesa e, a convicção generalizada de que Peter CaddyEileen Caddy (sua esposa) e Dorothy Maclean (que entretanto se lhes juntara, tendo ido viver para uma dependência da habitação do casal), tinham tanto êxito com as suas plantas graças à intervenção divina, que seria como que uma recompensa pelo seu empenho espiritual, levou a que a BBC lhes tivesse dedicado um programa em 1965, que terá sido o ponto de arranque da comunidade que viriam a formar ainda nesse ano, apoiada nas práticas espirituais dos seus três fundadores.
A Comunidade, que passou a ser conhecida como Fundação Findhorn, ou mais propriamente Findhorn Foundation, em inglês, tem vindo a crescer ao longo dos anos, tendo por inúmeras vezes sido a base de documentários televisivos, nomeadamente por parte da BBC, destacando-se mais recentemente a série “The Haven”, produzida pelo Channel 4 em 2004.

Dorothy deixou a Fundação em 1973, tendo ido para a América do Norte, onde fundou uma organização educativa.
Entretanto, em 1979, Peter Caddy abandonou a comunidade da qual fora co-fundador.
Eileen, permaneceu na comunidade até 2006, ano em que faleceu.

De acordo com os seus fundadores, a Findhorn Foundation não impõe aos seus membros nenhuma doutrina ou crença formal, acreditando que a humanidade está envolvida num processo de expansão evolutiva da consciência, gerando novos comportamentos para a civilização, assim como uma cultura planetária impregnada de valores espirituais.


A Máquina Viva na Ecovila / Living Machine in the Ecovillage 


Trabalho comunitário na cozinha / Communitary work in the kitchen
Dia 9 de julho de 2005 trabalhei como voluntária na cozinha da Fundação. Como foi bom descascar ervilhas e cebolas, mexer com facas e panelas. Estava com saudade disso, e o trabalho também me valeu o delicioso almoço. No dia seguinte, eu teria de pagar para almoçar, por isso só entrei no salão de refeições para falar com os brasileiros no fim do horário de refeição. Reparei, no entanto, que não havia mais ninguém pegando os vales de quem entrava. Todos já estavam acabando de comer, sobrara bastante comida nas travessas e eu estava faminta.  Fiz um prato, sentei e comi. Felizmente, ninguém estranhou, nem tampouco veio me cobrar .
2005, July the 9th I volunteered to work in the kitchen. It felt so good to peel onions and peas, handle knives and pots, I was missing cooking, and for the work I was given (delicious!) lunch. Next day I would have to pay for my meal, but I entered the common room almost at closing time, just to talk to the other brazilians. However, nobody was there collecting lunch vouchers anymore. People were quite finished and there was still plenty of food on the buffet. Starving,  I fixed myself a plate, sat down, ate and fortunately no one appeared to make any fuss about it.

Em 2005 havia apenas um moinho para gerar energia eólica, atualmente já são quatro, que abastecem a comunidade de toda a eletricidade necessária. A energia excedente vai abastecer a rede local./
There was only one wind turbine back in 2005. Now there are four, supplying more than 100% of the community’s electricity needs.If production exceeds demand the surplus is exported to the grid.
O grupo de brasileiros me mantinha informada sobre acontecimentos e atividades. Haveria um tour guiado pela Fundação incluindo a estação de tratamento ecológico de esgoto chamado Living Machine (Máquina Viva) cuja tecnologia me interessara conhecer. Me inscrevi e paguei as duas libras cobradas pela visita. Após percorrer diversas salas de atividades e meditação, inclusive o Santuário da Natureza, chegamos ao enorme galpão. A Máquina Viva reproduz em escala intensiva o processo de depuração que ocorre normalmente na natureza. Consiste numa sequência de tanques, onde desemboca o encanamento do esgoto. Em cada tanque há um ecossistema diferente composto por bactérias, algas, micro organismos, plantas, caracóis e peixes que se alimentam da sujeira,quebrando suas moléculas . A água que resulta desse processo, depois de passar por todos os tanques, está limpa (embora não potável) podendo ser devolvida ao mar ou reutilizada para regar plantas, lavar roupa e diversas outras finalidades. Não são utilizados produtos químicos e o custo é relativamente baixo. Sensacional!

Galpão da Máquina Viva / The Living Machine greenhouse
The Brazilians were updating me on activities and events. That afternoon, a guided tour to the Foundation was scheduled and it included the Living Machine, an ecological water treatment station which technology had caught my interest. To join the group I paid a two pounds fee. After visiting the facilities, studios, and meditation rooms including the Nature Sanctuary,  we got in the Living Machine. It was a massive greenhouse containing a series of tanks where sewage arrives through pipes. “Diverse communities of bacteria, algae, micro-organisms, numerous species of plants and trees, snails, and fish interact as whole ecologies in each one of these tanks and biofilters. These mirror processes that occur in the natural world, but do so more intensively. At the end of the series of tanks, the resulting water is pure enough to discharge directly into the sea or to be recycled. The technology is not only capable of meeting tough new sewage outflow standards, but uses no chemicals, and has a relatively inexpensive capital cost attached.” (quote from Findhorn Foundation Website)
Brilliant.

Aspecto da estação de tratamento de esgoto ecológica.
That’s how an ecological sewage treatment station looks like.

Tanques interconectados numa sequência que favorece a depuração da água.
The sequence of tank interconnection favors water depuration.

Essa estação trata todo o esgoto dos 500 habitantes da Ecovila. / This station treats sewage from the population of up to 500 people living at the Findhorn Ecovillage.

Vista da Ecovila / Ecovillage landscape

Construções ecológicas: para cada duas ou até três casas da Ecovila há uma área comum de cozinha e lavanderia (nesta casa, a parte central preta), minimizando o impacto ambiental. Emprega-se material reciclado e certificado, conforme detalhado na placa da obra. / Ecological buildings: each two or even three houses in the Ecovillage share facilities (laundry, kitchens – here, the black wal lin the middle ) avoiding unnecessary duplication, minimizing ambiental impact. All supplies are recycled and certificated, as stated in the sign shown below.

A construção e manutenção de tais casas pode ser executada pelos próprios donos.
Such houses are suitable for Self Building and Maintenance.

Os moradores da Ecovila estão sempre em atividade…
Ecovillage people are always busy…

… de um jeito ou de outro.
… in one way or another.

Detalhe do teto no Santuário da Natureza.
Roof detail, inside Nature’s Sanctuary

Detalhes de arte e ecologia. Através das clarabóias a luz natural dá destaque à linda pintura. / Artistic and ecologic details: through the skylight, natural light highlights the delicate painting.

Compostagem / Composting

Bicicletas e madeira de florestas de gestão sustentável.
Bikes and locally grown and harvested timber from managed forests.

Brechó para troca de coisas e roupas usadas.
Thrift store for second hand stuff exchange.
Findhorn Foundation Website:

Share this:

Mais sobre Findhorn / More about the Foundation – Post 040


Rate This


A Fundação Findhorn é uma comunidade espiritual, centro de ensino e ecovila cujas principais sedes são “O Parque” em Findhorn e Cluny Hill, em Forres (fotos acima). The Findhorn Foundation is a spiritual community, learning centre and ecovillage based mainly at The Park (Findhorn) and at Cluny Hill in Forres (pictures above).
Os cursos ali não eram nada baratos, todos compreendendo meditação, atividades em grupo e trabalhos comunitários na horta, cozinha e jardim. Me pareceu esquisito pagar tão caro para fazer coisas tão corriqueiras como cozinhar. Mas há muita gente que precisa aprender a se comunicar e interagir com os outros.

Estudantes fazendo trabalho comunitário / People into communitary work
The workshops were not cheap and all included meditation, group activities and communitary work in the kitchen and garden. I thought it weird people pay so much to do common stuff such as cooking, but there are many who need to learn communicating and interacting with the others.

O Centro Comunitário junto à entrada do Parque. / Community Center next to The Park entrance

Mercadinho e reservatórios de material para reciclagem junto à entrada /
Mini market and recyclable stuff bins next to the entrance

Caminhos do Parque, com casas e escritórios./
Paths in the Park, with houses and offices
Melissa me levou para copiar as fotos da passeata em Edimburgo no Centro de Informática, onde seis rapazes pilotavam Mac Minis, recém-lançados. Ela pediu para um deles fazer duas cópias e deixou-me lá para pegar os CDs quando estivessem prontos. O funcionário amarrou a cara, fez só uma e me despachou dizendo que tinha muito trabalho e não podia perder tempo com aquilo. Melissa ficou furiosa… comigo! Disse que eu devia ter insistido, e não quis aceitar o fato de que eu não tinha nenhuma autoridade para exigir nada do carinha. Sugeri que ela mesma fosse falar com ele e isso a irritou ainda mais.
To copy my pictures of the march in Edimburgh, Melissa took me to the Computers Centre where six guys were working, all in Mac Minis, that had just been released. She asked one of them to make two copies and left me there to take the CDs when they were ready. But the man was in a bad mood; made only one copy and sent me away because he had a lot of work to do and no time to waste on that. That made Melissa very angry… at me! She said I ought to have insisted and didn’t accept the fact that I had no authority to give orders to anyone there. I suggested she went back there and talked to him herself, but that only increased her rage.

Todas as construções são ecológicas, como estes alojamentos para estudantes. / All buildings are ecologic, as these lodgements for students.

Estufa para cultivo de plantas / Greenhouse

Jardins / Gardens

Casas feitas de antigos tonéis / Homes made of old barrels
Comecei a achar a moça um tanto estranha, pois no momento seguinte ela me convidou a dar uma caminhada pela Fundação, toda sorridente. Passamos por jardins, estufas, chegando por fim a uma casinha igual à dos hobbits de J. R. R. Tolkien. Era de pedra, arredondada e toda irregular, com o telhado gramado. Tratava-se de um local de orações, lindo, na mesma hora levei a câmera aos olhos. Foi quando Melissa ficou histérica. Me deu uma bronca e proibiu-me de fotografar porque iria atrapalhar a concentração das pessoas que estavam meditando lá dentro. Além disso ser absurdo, estava uma luz linda, mas o tempo poderia fechar a qualquer momento. Não se deixa uma foto para depois. Cliquei, ela surtou e abruptamente interrompeu o passeio. Apresentou-me a uns paulistas que estavam lá fazendo cursos, disse que “não podia tomar conta de mim como se fosse uma criança, porque tinha mais o que fazer”, virou as costas e sumiu. Nunca mais a vi! Chateada, fui buscar minha mochila e saí do seu trailer, deletando-a da minha vida também. Ela tinha dito que tomava remédio porque contraíra uma doença crônica na África, mas acho que seu problema era mesmo uma bipolaridade grave.

A casinha de hobbit chamada Santuário da Natureza / The hobbithole was called Nature’s Sanctuary
I realized there was something wrong with the girl, because the next moment she smiled and invited me for a walk in the Foundation whereabouts. We crossed gardens, greenhouses, and found ourselves in front of a little cottage just like J.R.R. Tolkien’s hobbit holes. It was made of stone, all round and irregularly shaped, with grass covering the roof, so cute, at once I grabbed the camera. That was when she became hysterical. She scolded me saying it was a place for prayers and I was forbidden to take pictures because that would jeopardize the meditation in progress inside the house. Besides the absurd of the statement, the light was beautiful and I knew the weather could change in a blink. One does not postpone a photograph. So I took it anyway, and she, rabid, cut the walk short roughly. Found some brazilians who were there enrolled in workshops; introduced me to them, stated that she “couldn’t take care of me as if I was a child, because she had her own work to do”, turned her back on me and left. I never saw her again! Very upset and I went for my backpack and left her trailer, deleting her of my own life as well. She had said she was on heavy medicine due to a chronic illness she had caught in Africa, but I could tell for sure her problem was a serious bipolarity.

O antigo trailer de Eileen Caddy / Eileen Caddy’s old caravan

O novo estacionamento para trailers / The new caravan park
Uma das brasileiras a que fui apresentada, Claudia, embora morasse por ali e alugasse quartos, sabendo que eu tinha muito pouco dinheiro, sugeriu que eu me instalasse no trailer da Helka, uma alemã que estava em férias. Não me custaria nada e parecia a única coisa a fazer. Ela foi fofa e me levou até o trailer, onde já havia outra hóspede, uma moça da Croácia. Estava matriculada no curso de Danças Sagradas Circulares e não saía do telefone – deve ter deixado uma conta enorme para Helka. O trailer era confortável, a não ser pela água fria que não soubemos aquecer. Provavelmente, teria de acender a lareira e esperar, mas não conseguimos e acabamos tomando banho gelado todos os dias.

O trailer de Helka onde me instalei. / Helka’s caravan, where I lodged
One of the Brazilians I had just been introduced to, Claudia, lived around there and had rooms for rental in her home. But she knew I was short of money and was so kind as to take me to a caravan where I could stay for free. It belonged to a german woman called Helka who was out for holidays. It was the best I could do. In the caravan there was another guest, a girl from Croacia, enrolled in the workshop Circular Sacred Dances. She used to spend hours on the telephone, I guess she left Helka a very high phone bill. The caravan was comfortable except for the water in the bathroom we didn’t manage to heat. For sure we had to light the fireplace and wait a while, but none of us could do it. In the end, we resigned ourselves to endure everyday’s icy shower.

Aula de Danças Circulares Sagradas / Circular Sacred Dances Class

Outro restaurante, porém aqui tudo era pago. As refeições servidas no Centro Comunitário estavam incluídas no preço dos cursos. / Another restaurant, but here one had to pay; meals served in the Communitary Center were included in the workshops fees.
Abaixo o link para o site da Fundação Findhorn. Here goes the link to Findhorn Foundation website:

Share this:

Findhorn Foundation! – Post 039



Rate This


Findhorn Bay
Cluny havia sido um hotel, onde trabalhavam Peter e Eileen Caddy, mais uma moça, Dorothy Maclean. Foram demitidos, mudaram-se para um trailer na pequena cidade junto à baía de Findhorn e começaram a meditar e ter contato com seres elementais. Na década de 1960, a espiritualidade dos três e sua suposta comunicação com devas (divindades da natureza) e com Deus (Eileen psicografava mensagens diárias) virou notícia. Os legumes que cresceram naquele solo considerado pobre assumiram proporções gigantescas, como a abóbora com cerca de 18 quilos. O feito foi creditado às instruções dos devas, curiosos começaram a aparecer e uma comunidade se formou.
Cluny once was a hotel, where Peter & Eileen Caddy, and Dorothy Maclean worked. They were fired and moved to a caravan in the small village by Findhorn Bay, where they started to meditate and contact elemental beings. In the 60’s word was spread about their spirituality and the supposed communication with devas (nature deities) and God himself (Eileen psychographed daily messages). The massive vegetables they grew according to devas’ directions, as 40 pounds pumpkins, in a barren sandy soil, were reported in newspapers and magazines. Curious people arose, some stood there and the place eventually became a community.

A caminho da praia / The way to the beach

Mar do Norte / North Sea

Nenhuma praia no Reino Unido tem areia, só pedrisco. Em Findhorn, são seixos brancos como os de aquário. / There’s no sand in UK beaches, only pebbles. In Findhorn, they’re white like those used in aquariums.
Em 1970, tendo evoluído para centro de educação espiritual e, posteriormente, ecovila, a comunidade foi registrada sob o nome Fundação Findhorn. Foi construído o enorme Universal Hall, teatro e salão de eventos. O hotel em Cluny Hill foi comprado e rebatizado Cluny Hill College, para sediar workshops e acomodar visitantes, Hoje superconceituada internacionalmente e conectada à ONU, a Fundação compreende “O Parque”, que se estende num raio de 80 km e acaba na praia, beijada pelo Mar do Norte. A paisagem se completa com uma baía cheia de veleiros, casas, um fish-and-chips e uma base aérea militar na vizinhança. É curioso como ao lado de lugares com caráter espiritual há sempre a presença do exército.

Os primeiros trailers, que pertenciam aos fundadores da comunidade, ainda estão lá. /
The first caravans that belonged to the community’s founders are still there

Universal Hall
In the 70’s a spiritual education center and ecovillage were stablished and the community was formally registered as a Scottish Charity under the name The Findhorn Foundation. The massive Universal Hall was built as Art Centre and Cluny Hill Hotel was purchased and renamed Cluny Hill College to be a centre for workshops and members’ accommodation. Nowadays the Foundation is internationally highly regarded and connected to ONU, comprising a 50 miles radius of land known as The Park, bordering a beach kissed by the North Sea. The landscape is framed by Findhorn Bay, with sailing boats, houses, fish-and-chips and a neighbour Air Force Military Base. It’s weird to remark the ever-present military zones in such places of spiritual nature.

Almoço ao ar livre / Lunch out in the open
Quando cheguei, procurei a administração, localizaram Melissa e ela me levou para almoçar. O tempo abriu e o povo lá fica doido quando vê o sol. Aquelas pessoas de cor leitosa faziam sua refeição ao ar livre, pondo os pratos na grama e achando aquilo o máximo. Queriam se bronzear, mas, na verdade, ficavam vermelhas como pimenta. Eu, habituada a comer sentada à mesa usando talheres, como minha mãe me ensinou, estava bem sem jeito, desconfortável mesmo, mas fiquei quieta. A comida era vegetariana, orgânica e muito gostosa.
I arrived at the Foundation reception, Melissa was contacted and took me for lunch. The day was bright now and everybody there go nuts when they see the sun. Those milky white people were eating out with the plates on the grass and having much fun on that. They wanted to get a suntan but they would turn pepper red instead. I was used to eat by the table, using cutlery as my mother had taught me, so it was kind of clumsy and uncomfortable, but I kept my mouth shut and ate the delicious vegetarian organic meal.

Ecovila: Veja abaixo Habitação reciclada na Comunidade, feita a partir de antigos tonéis de whisky.