A DANÇA COMO TERAPIA : ORIGEM E BENEFÍCIOS


A dança é uma das três principais artes cênicas da antiguidade, ao lado do teatro e da música. Ela pode existir como manifestação artística ou, simplesmente, como uma forma de divertimento.

Hoje em dia, a prática de danças como terapias complementares está sendo cada vez mais recomendada para a cura de doenças psicológicas ou a qualquer pessoa que deseje melhorar a sua qualidade de vida. A dança ultrapassou as barreiras do exercício físico e é hoje considerada uma das melhores formas de complementar tratamentos, seja pela interação social ou mesmo pelo prazer em praticar essa atividade.

A dança aproxima as pessoas, diminui a timidez e dá uma sensação de liberdade. A interação que a dança promove pode trazer grandes benefícios, contribuindo muito para a saúde mental de quem a pratica. Não há dúvida de que a dança traz muitos benefícios para o corpo e para a mente. É um exercício mental, físico e social. Ela estimula a convivência na coletividade, a construção de novas amizades, novos relacionamentos e ajuda melhorar a autoestima. A dança areja a cabeça, deixa o espírito elevado e nos faz esquecer os problemas, o corre-corre diário, os compromissos financeiros, entre outros, pois nos concentramos somente nos movimentos e na leveza do som da música.

A dança também é uma maneira de queimar calorias e manter a forma. Ela é considerada também uma atividade aeróbica, porque fortalece os músculos, melhora a postura e a flexibilidade. Os médicos afirmam que, quando dançamos, o organismo produz serotonina, que diminui a sensação de fome. Também já ficou provado que a dança de salão emagrece. Só por esse motivo já valeria a pena praticá-la, pois de forma natural muitas pessoas estariam conseguindo alcançar os seus objetivos.

Enfim, tudo a nossa volta fica mais alegre e colorido quando a dança passa a fazer parte do movimento da vida, pois, além de ser uma importante manifestação artística, é ela, com certeza, capaz de produzir reações benéficas para o nosso organismo.



 
MARIZE POLENZ DEL FABRO*

*Professora licenciada pela UFSM em Educação Artística com habilitação em Música



Dançoterapia


“Uma técnica psicoterapêutica que utiliza o movimento
como um processo que promove a integração emocional e física do individuo”


A Dança terapia apresenta-se como uma terapia para ajudar as pessoas com problemas essencialmente de cariz psicológico. “A Dançoterapia tem como objectivo final procurar modos de actuação na área da psicopatologia, empregando o movimento dançado” (Silberman, 1981, cit. Por Sousa, 2005).
Terapia pela dança é um método terapêutico que recorre à dança, através da qual a pessoa se pode expressar de uma forma criativa, num processo de integração emocional, cognitiva e social. Parte do principio de que o movimento reflecte um padrão do pensamento e dos sentimentos do individuo.
Desde os primórdios da humanidade que o Homem sempre expressou os seus sentimentos através da arte. Segundo Santos (2006, cit. por Oliveira, 2009), entre essas manifestações, e em todas as culturas, desde as primitivas às actuais, aquela que designamos hoje como Dança aparece como a manifestação artística ou arte primordial onde através de gestos, movimentos, vozes do próprio corpo direccionados para as divindades com poderes salvíficos ou curativos, se podiam exorcizar os demónios ou génios do mal. Em todos estes processos o corpo seria sempre o instrumento principal. Através dele é que tudo se realiza e faz sentido.
Segundo Santos (1999, cit. por Oliveira, 2009), possui um vastíssimo campo de intervenção. Tendo-se iniciado na área de saúde mental (nomeadamente com psicóticos), e da educação especial (nomeadamente com crianças com deficiências motoras e sensoriais), presentemente as actuais práticas e trabalhos de investigação disseminaram-se numa abordagem multivectorial em áreas onde eventualmente seja necessária uma intervenção:
-Profilática ou ao nível de prevenção (nomeadamente de comportamentos de risco, de interacções precoces em famílias perturbadas ou de risco, etc.);
- Terapêutica e reeducativa em múltiplas áreas da medicina física, da psicossomática, da saúde mental, da educação especial, etc.
- E numa perspectiva de melhoria de qualidade de vida, mesmo em situações terminais.

Em termos de estudos feitos relativamente à aplicação da Dançoterapia em crianças e jovens com necessidades educativas especiais, existem vários estudos realizados com diversas populações: Deficiência intelectual, visual, auditiva, dificuldades de aprendizagem, distúrbios comportamentais e indivíduos com Perturbação do Espectro do Autismo (Santos 2006, cit. por Oliveira, 2009).

 Fonte:http://dancoterapia.wordpress.com/


  • A dança como terapia



Quem imagina que a idade "enferruja" os quadris e impede as pessoas de dançarem, está enganado! Foi-se o tempo em que os idosos ficavam sentados, ansiosos, à espera de um "par" para bailar pelo salão. Hoje, eles invadem a pista, com estilo próprio, sem medo de errar o passo. Prova disso, é o crescente número de frequentadores dos bailes da terceira idade.

Os salões dos clubes ficam lotados. Os bailes do Clube do Vovô, em Maringá, nas tardes de quartas-feiras e domingos, transformaram-se em uma terapia para muita gente, que frequenta o local. O aposentado Antônio Mota Soares, 74 anos, que o diga! "Redescobri o prazer de viver graças à dança", comenta com entusiasmo.


Tardes dançantes no Clube do Vovô













Viúvo há seis anos, Antônio, lembra que dançar sempre foi uma opção de lazer dele e da falecida esposa. A atual companheira, com quem mora há dois anos, "também é uma parceira incansável da dança de salão", diz. Frequentador do Clube do Vovô há pelo menos 17 anos, o aposentado conta que o ritmo preferido é ditado pela música gauchesca. "É meu estilo preferido. Basta ouvir um xote ou um vanerão, que logo saio chacoalhando os cambitos, com minha prenda", relata.

A tendência das pessoas à medida que envelhecem é deixar de praticar algumas atividades físicas, o que é errado.É comprovado que dançar libera endorfina, o hormônio da felicidade. Isto porque, ninguém dança de cara fechada, ao contrário, essa atividade está relacionada ao prazer, a alegria. Além é claro de trazer outros benefícios para a saúde.

A dança reduz o estresse, queima calorias tanto quanto andar de bicicleta ou caminhar. Dançar é uma atividade que faz bem não apenas para o corpo, porque tonifica os músculos, mas para a alma.

"A dança tem o poder de fazer a gente esquecer de qualquer dor na perna, nas costas. Faz um bem enorme para o ego e traz muita disposição" afirma Cleuza Tossani Lopes. Ela é um exemplo de quem não se deixou impor limites para viver bem e ser feliz, por causa da idade. 

Aos 67 anos, ela frequenta aulas de violão, canta no coral da UEM, frequenta oito cursos da Universidade Aberta da Terceira Idade (Unati) e ainda arranja um tempinho para jogar tranca com os amigos e sair para dançar. "Pelo menos uma vez a cada quinze ou trinta dias, combino com algumas amigas de sair para os bailes", acrescenta.

Para Cleuza, a dança também tem o efeito de aproximar as pessoas. "É uma forma prazerosa de conhecer e se relacionar com o sexo oposto", ressalta. Viúva há 25 anos, atualmente livre e desimpedida, Dona Cleuza garante que os bailes são uma oportunidade para conhecer mais que pés de valsa, quem sabe um novo amor. 

Mas, acima de tudo, os clubes da terceira idade, como o do Vovô, Carinhoso, Sesc e tantos outros, frequentados por essa turma grisalha, são também uma forma de se deparar com exemplos de longevidade.

Origem da Dança Terapia



Origem da Dança Terapia remonta a 1966 quando esta se tornou uma pofissão através da Associação Americana de Dançaterapia.
As pioneiras foram todas mulheres: bailarinas, coreógrafas e professoras de dança que, compartilhavam uma paixão comum e um respeito profundo pelo valor terapêutico de sua arte.
Entre 1940 e 1950, separadamente, ensinavam em estúdios privados e foram gradualmente abrindo caminhos em hospitais psiquiátricos e outros estabelecimentos clínicos. Bailarinas, psicoterapeutas e outros procuraram aprender e estudar com estas primeiras praticantes, que começaram a elaborar uma teoria que pudesse sustentar as suas observações.
Mary Starks Whitehouse foi uma das primeiras pioneiras em dança-movimento-terapia. Graduou-se na escola Wigman na Alemanha e também estudou com Marta Graham. Sua análise pessoal e seus estudos no Instituto Junguiano, em Zurich deram como resultado uma aproximação a qual denominou de “Movimento Autentico”. Num artigo intitulado “ Reflexões sobre uma Metamorfose”(1968), conta a historia de sua transição: “Foi importante o dia que me dei conta que não ensinava dança, ensinava a pessoas…Indicava a possibilidade de que meu interesse principal podia ter haver com o processo e não com os resultados, que não era somente pela arte que eu estava buscando e sim por um desenvolvimento humano.”

Benefícios da Dança Terapia

Benefícios da Dança Terapia são diversos. Benefícios da Dança Terapia podem ser físicos e/ou psicológicos promovendo o bem estar geral.

Benefícios físicos da Dança Terapia

Diminui a tensão e rigidez muscular;
Melhora a coordenação motora;
Permite a liberdade do movimento;
Melhora a noção espacial;
Estimula uma boa circulação sanguínea;
Melhora a frequência respiratória;
O corpo adquire uma nova elasticidade e habilidade de movimento sem trauma e dores;
Mal-estares como dor da cabeça, dor de costas, contraturas, podem desaparecer em consequência de uma nova modalidade do uso e da percepção do corpo;
Possibilita que o indivíduo descubra em si novos movimentos e novas maneiras de se expressar.

Benefícios Psicológicos da Dança Terapia

Melhora e aumenta a autoconsciência e autonomia pessoal;
Possibilita conectar-se com a memória corporal, desbloqueando sentimentos ou pensamentos oprimidos, proporcionando uma nova oportunidade criativa de ser;
Melhora os recursos da comunicação;
Estimula a criatividade e livre expressão;
Promove auto-conhecimento físico e emocional;
Estimula a descoberta e redescoberta das potencialidades adormecidas;
Proporciona a aceitação e o respeito ao próprio ritmo interno e ao tempo do outro;
Melhora a auto-estima, a auto-confiança, despertando o “sim, eu sou capaz”;
Facilita a expressão de sentimentos muitas vezes difíceis de serem colocados verbalmente;
Permite o reconhecimento das próprias limitações, que se tornam fonte de busca e descoberta de novas possibilidades;
Promove a atenção, presença e a escuta do ser;
Facilita e estimula a integração social;
Proporciona aceitação e a valorização das diferenças;
Desenvolve as capacidades cognitivas, a motivação e a memória.

Dança Terapeuta

Dança Terapeuta é  o profissional que trabalha essencialmente com o movimento e com a dança. Dança Terapeuta atua  através da linguagem corporal em campos socioeducativos e de saúde, com finalidade terapêutica, preventiva e de reabilitação.
Ser dançaterapeuta requer pôr o corpo, o afecto, o olhar reflexivo, a permissão à fantasia, à capacidade de jogo, à possibilidade de adaptar seu próprio tempo ao tempo de cada grupo.
Um dançaterapeuta deve adquirir conhecimentos teórico e prático, bem como trabalhar em si mesmo, o desenvolvimento da paciência, da intuição, empatia e ter a habilidade de recriar o que aprendeu de acordo com cada situação.

danca_terapia

A DANÇA  COMO RECURSOTERAPÊUTICO

A dança tem um caráter terapêutico pois, além de ser uma atividade física, que queima calorias, trabalha músculos e articulações, também promove um bem estar geral.
Ao dançar o sujeito mobiliza vários aspectos cognitivos e afetivos. Passa a ter uma relação mais estreita com seu corpo, pois vai adquirindo maior consciência corporal. E, como o corpo é o instrumento da própria existência, ter consciência de suas possibilidades facilita a comunicação com o mundo.
Quando dança livremente a pessoa tem a oportunidade de expressar emoções através de seus movimentos, algo que nem sempre é possível fazer através de palavras. Assim consegue se libertar de tensões, descarregar negatividades e transmitir sua essência de forma livre e natural, sem bloqueios.
Por isso, os especialistas tem indicado a dança como uma atividade para aliviar estresse, trabalhar timidez, diminuir a ansiedade, e elevar a autoestima, por exemplo.
Na área da psicopedagogia, a dança tem sido grande aliada para superação das dificuldades de aprendizagem, pois possibilita que a criança desenvolva capacidades necessárias para o aprendizado de forma mais divertida.
A dança aciona diversas habilidades cognitivas como a memória, concentração, atenção, ritmo, a lateralidade, noção espacial, a habilidade de socialização.
Para dançar é preciso pensar, calcular o tempo e alcance de cada movimento, prestar atenção no espaço disponível e nas outras pessoas ao redor. É preciso ter consciência dos limites do próprio corpo, usar a capacidade criativa para compor novos movimentos.
Dançar é também uma forma lúdica e divertida de desenvolver a inteligência.
Já mulheres encontram na dança árabe, ou dança do ventre, uma excelente atividade para elevar a autoestima, pois essa modalidade de dança trabalha movimentos que revelam a beleza feminina de forma natural.
Como a dança é uma atividade social, favorece também o surgimento de novas amizades e, como o clima onde se dança é sempre alto astral, faz com que as pessoas sintam-se mais felizes.
Pessoas da melhor idade também devem frequentar aulas de dança, pois a dança promove uma estimulação cognitiva e isso ajuda a manter a saúde mental dessa faixa etária.
Dançar, independente da modalidade, é um ótimo exercício para o corpo, mente e espírito!
*Cristiane Ferreira é Pedagoga e Coach e possui formação em dança
Fonte:http://cristianeferreira.com.br/artigos/a-danca-como-recurso-terapeutico-2/

terapia da dança
A terapia da dança 

É uma utilização terapêutica de movimento para melhorar a capacidade mental e bem-estar físico de uma pessoa. Ela centra-se na conexão entre a mente e o corpo para promover a saúde e a cura. Terapia da dança pode ser considerada uma terapia expressiva. 

Visão global 

Poucos estudos científicos têm sido feitos para avaliar os efeitos da terapia de dança sobre a saúde, prevenção e recuperação de doenças. Relatos clínicos sugerem que a esta terapia pode ser eficaz na melhoria da auto-estima e redução do estresse. Como uma forma de exercício, terapia da dança pode ser útil para os aspectos físicos e emocionais da qualidade de vida. 

          
O que promove

A terapia da dança é oferecida como um serviço de promoção da saúde para pessoas saudáveis e como método complementar para reduzir o estresse dos cuidadores e pessoas com cancro e outras doenças crónicas  Fisicamente, pode proporcionar exercício, melhorar a mobilidade e coordenação muscular, e reduzir a tensão muscular. Emocionalmente, é relatada para melhorar a auto-consciência, auto-confiança e interação interpessoal, e é uma saída para comunicar com os sentimentos. Alguns promotores afirmam que a terapia da dança pode fortalecer o sistema imunológico através de ação muscular e processos fisiológicos e pode até mesmo ajudar a prevenir a doença. Ela é baseada na crença de que o trabalho da mente e do corpo estão juntos. Através da dança, pensa-se que as pessoas possam identificar e expressar suas emoções mais íntimas, trazendo esses sentimentos para a superfície. Algumas pessoas afirmam que isso pode criar um senso de renovação, integridade e unidade. 

          
O que implica


Terapeutas da dança podem ajudar as pessoas a desenvolver uma linguagem não-verbal, que oferece informações sobre o que está acontecendo em seus corpos. O terapeuta observa os movimentos de uma pessoa para fazer uma avaliação e, em seguida, projeta um programa para ajudar a condição específica. A frequência e nível de dificuldade da terapia é geralmente adaptada para atender as necessidades dos participantes. É usada em uma variedade de configurações com as pessoas que têm preocupações sociais, emocionais, cognitivas ou físicas. Ela é frequentemente utilizada como uma parte do processo de recuperação para as pessoas com doenças crónicas. Terapeutas trabalham com indivíduos e grupos, incluindo famílias inteiras. 
      
As provas

Embora apenas relatos individuais fornecem a maior parte do apoio do valor da dança terapêutica  alguns estudos experimentais que avaliam os efeitos da terapia da dança sobre a saúde têm sido publicados. Um estudo recente, um grupo de sobreviventes de cancro da mama participou em uma terapia da dança durante doze semanas. As mulheres que tiveram a dança como terapia mostram melhor amplitude de movimento em seus ombros do que aqueles que não tiveram a classe. Percepção dos pacientes de seus corpos também melhorou após a terapia da dança. Relatórios clínicos sugerem que a terapia da dança ajuda no desenvolvimento da imagem corporal, melhora o auto-conceito e auto-estima, reduz o stress, ansiedade e depressão, diminuindo o isolamento, a dor crónica  e a tensão corpo, e aumentando as habilidades de comunicação e sentimentos de bem-estar. 
        
Eventuais problemas ou complicações

Pessoas com cancro ou doenças crónicas  como artrite e doenças cardíacas devem conversar com seu médico antes de iniciar qualquer tipo de terapia que envolve a manipulação ou o movimento das articulações e músculos. 

Fonte:http://www.praticasalternativas.com/terapiadadanca.php


É o uso da dança e do movimento em um processo terapêutico que promove a integração emocional, cognitiva, física e social do indivíduo. (de acordo com o estatuto e código de ética da American Dance Therapy Association - ADTA).
Surge do encontro da dança com a psicologia e faz parte das chamadas “psicoterapias das artes criativas”

É uma abordagem que utiliza a linguagem corporal como principal meio de comunicação e busca ampliar a consciência sobre si mesmo através desta linguagem. E é um instrumento simples e poderoso que permite, através de um gesto, melhorar o próprio modo de ser e estar, física e mentalmente no mundo.
Utilizando o movimento criativo e a dança no contexto de uma relação terapêutica (grupal ou individual),  procura combinar os componentes expressivos e criativos da dança com os benefícios da psicoterapia.

"Em todo ser humano está registrada uma dança, aquela dos gestos, do ritmo cardíaco, do ritmo biológico que anima e pulsa nos indivíduos. Através deste gesto podemos ser nós mesmos, expressando e experimentando novas formas que nos permitem modificar os comportamentos que geram o mal estar físico ou psicológico".

A dança é energia vital, rios criativos que nos colocam na relação com nossas emoções na forma corpórea, concreta. A dança dá corpo às emoções. Neste sentido é terapêutica. 

Através do movimento,  possibilita a pessoa a se conhecer melhor, a entrar em contato com partes profundas de si, com sentimentos muitas vezes difíceis de serem expressos verbalmente, e a explorar novas formas de ser e de sentir. Desta forma inicia-se uma modificação de forma fluida no ser, que passa a se escutar sem julgamentos. 

 Promove a redescoberta do prazer do movimento livre, e - ao mesmo tempo - proporciona o desenvolvimento das capacidades e habilidades do ser. É um convite a estar presente em cada movimento e em cada processo da vida. 

Na dançaterapia não existe a idéia de dançar como exibição, "somos dançarinos e espectadores de nós mesmos" e os movimentos não se baseiam em um desenho externo e formal de passos; a atenção é colocada em "como nos sentimos". A partir disso há uma escuta interna e as pessoas aprendem a expressar-se de forma autêntica. 

Com o desenvolvimento dessa escuta interna, consequentemente, todos podem encontrar um modo de expressão respeitosa ao próprio limite e às próprias possibilidades. Assim, uma forma pessoal do movimento nasce da vida interna, sem prescrições externas, as quais nem sempre há a possibilidade de adaptar-se. 
 É um instrumento que se adapta aos limites e às possibilidades de cada grupo e de cada ser, qualquer pessoa, independente de suas limitações, mas principalmente através da sua parte sã, pode descobrir novas possibilidades criativas de se comunicar, movimentar e dançar. 
" Ocupa-se da vivência do "movimento sentido e os sentidos do movimento".

A dança como terapia

Pacientes da AACD descobrem benefícios da dança como terapia

Alternativa em tratamento de reabilitação, a dançaterapia desenvolve a consciência de potencialidade, atenção e habilidade. Cerca de 30 pacientes da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) participam das aulas, na sede central e na unidade de Osasco.
A dança ajuda a devolver ao corpo a alegria de comunicar, criar, vencer o medo, tecer esperanças e percorrer novos caminhos. Desta forma, adolescentes e adultos têm conseguido interagir melhor com o mundo e realizar movimentos cotidianos com destreza.
Utilizada juntamente com estímulos sonoros, a dança facilita os movimentos corporais, permitindo a descoberta de novas formas de comunicação, por meio do movimento. Uma vez que todas as situações podem ser coreografadas, este tipo de terapia estimula a linguagem corporal e desperta a consciência de potencialidade, atenção, reflexos e habilidade. Além disso, ajuda a estabelecer ou restabelecer o equilíbrio entre corpo e mente.
A intenção é estimular um corpo adormecido pelo desinteresse social, transformando-o e o reconhecendo como um corpo útil e feliz, através da integração entre paciente, ritmo, fluência, espaço temporal, peso corporal e criatividade. Pacientes portadores de qualquer uma das patologias tratadas na entidade, dentre elas lesão medular, lesão encefálica adquirida, doença neuromuscular, poliomielite, paralisia cerebral e mielomeningocele, além de amputados, podem participar das aulas de dançaterapia.
A eficácia deste tipo de reabilitação pode ser comprovada durante as apresentações de dança dos grupos, em cursos e eventos internos e externos. As aulas são ministradas, na sede central e na unidade de Osasco.
Fonte: Oficina de Comunicação - Assessoria de Imprensa
site: www.aacd.org.br

A dança proporciona a integração das pessoas junto a sociedade, ressaltando que todos podem particpar dessas atividades dando exemplos de superação e tranformando o seu meio em algo bem melhor.

Dança movimento terapia

Dança movimento terapia


Melhore a sua vida... dançando!

Também conhecida como Terapia pelo Movimento Simbólico, a Dança Movimento Terapia trabalha a relação terapêutica e os problemas de ordem psicológica através do movimento e da improvisação.
Com o início da dança moderna, nos anos 40, iniciou-se um novo capítulo do estudo da comunicação não-verbal.
As principais pioneiras da Dança Movimento Terapia foram Marian Chace e Mary Whitehouse e esta terapia evoluiu a partir das aulas de dança dadas por estas duas bailarinas em contextos psiquiátricos, que vieram a tornar-se terapia de grupo e funcionavam com a supervisão de um psiquiatra. Assim, os médicos puderam observar que para além dos seus doentes parecerem mais normais dentro da sessão eram também mais capazes de expressar os seus sentimentos e comunicar com os outros.
O que é
É uma terapia psicodinâmica e pertence ao grupo das terapias expressivas como a Musicoterapia, a Arte terapia e o Psicodrama. A Dança Movimento Terapia nasce essencialmente da união entre dois campos: a dança e psicologia.
Assim, baseando-se principalmente na conexão entre movimento e emoção, trabalha com o corpo e a sua própria linguagem, procurando uma integração psicofísica do indivíduo (mente-corpo). O movimento corporal pode levar a mudanças psicológicas, promovendo saúde e desenvolvimento pessoal.
A quem se destina?
A qualquer pessoa que deseje melhorar a sua qualidade de vida, e também a indivíduos com patologias específicas, tais como perturbações de ansiedade, emocionais, de relacionamento, problemas comportamentais, atrasos de desenvolvimento, baixa auto-estima, demências, entre outros.
Abrange crianças, adolescentes, adultos e idosos. Qualquer pessoa pode ingressar num processo de Dança Movimento Terapia, independentemente do seu estado físico e psíquico.
Como decorrem as sessões?
As sessões podem ser individuais ou de grupo, dependo das necessidades de cada um. No início e no final de cada sessão há o recurso, sempre que possível, à expressão verbal. Durante as sessões, através do movimento e da dança, o mundo interior da pessoa torna-se mais acessível, partilha-se o simbolismo pessoal e mostram-se os modelos de relações pessoais com os outros. Encontram-se significados em gestos, posturas e qualidades de movimento.
No contexto de uma relação terapêutica, o paciente toma consciência da forma como estabelece e mantém relações interpessoais. A Dança Movimento Terapia não é uma aula.
Trata-se de um processo onde um profissional de saúde (psicoterapeuta) tem um espaço para que a pessoa (cliente ou paciente) elabore o seu próprio processo de crescimento pessoal, neste caso utilizando o corpo e o movimento como facilitador. Neste tipo de psicoterapia o movimento é informação, esta técnica trabalha para fazer consciente o movimento inconsciente.
Em Dança Movimento Terapia cada vez mais se recorre à Transmodalidade, pelo que frequentemente se usa a música e a arte plástica nas sessões, no sentido de alargar o modo de expressão, aumentar os recursos de comunicação e nesse sentido facilitar o alcance dos objectivos formulados.
O que se consegue e em quanto tempo?
A Dança Movimento Terapia é uma psicoterapia, frequentemente de orientação psicodinâmica, pelo que os objectivos e a duração da terapia vão depender de cada caso específico.
Os objectivos a formular podem ser ao nível social, emocional, cognitivo ou de percepção do próprio indivíduo.
A frequência das sessões também é variável, há casos em que são sugeridas duas sessões semanais, e outros em que a indicação terapêutica é de uma sessão semanal ou quinzenal.
Quem está habilitado a praticar esta terapia?
Os Dança Movimento Terapeutas, que têm uma formação específica (Pós graduação ou Mestrado), na qual estão incluídas disciplinas de Psicologia, disciplinas de Movimento, Prática Clínica supervisionada (600 horas) e um processo de terapia pessoal, com uma duração mínima de dois anos.
Há também técnicos com uma especialização em Dança Movimento Terapia que, apesar de não terem carteira profissional e não serem Dança Terapeutas, usam técnicas da terapia no seu contexto de intervenção.
Fonte:http://saude.sapo.pt/bem-estar-e-emocao/roteiro-anti-depressao/danca-movimento-terapia.html