MEDICINA INTEGRATIVA NO HOSPITAL ALBERT EINSTEIN DE SÃO PAULO-BRASIL




MEDICINA INTEGRATIVA





MEDICINA INTEGRATIVA



Medicina integrativa – mais que uma nova abordagem em medicina

Uma nova abordagem, chamada medicina integrativa, tem conquistado espaço em instituições de pesquisa, hospitais, unidades de saúde e consultórios médicos ao propor transformações nesse cenário fragmentado e nem sempre eficiente. Organizada como movimento dentro de universidades americanas de pesquisa a partir de meados dos anos 1970, uma de suas grandes inovações está numa mudança de paradigma: sai a doença como foco principal da atenção e entra o paciente inteiro - mente, corpo e espírito - no centro do cuidado. Parece simples, mas é um deslocamento gigantesco que modifica toda a prática médica, numa reação em cascata: o paciente é visto como agente responsável por sua melhora, a consulta inclui uma atenção diferenciada, a relação médico-paciente se fortalece, a escolha de terapias se expande. Até mesmo o conceito da cura é ampliado, deixando de ser entendido apenas como ausência de doença, o que é bastante comum hoje em dia, para ser visto como o restabelecimento do bem-estar físico, mental e social - definição, aliás, da Organização Mundial da Saúde (OMS).
Outra mudança importante da medicina integrativa é a ênfase na capacidade inata de recuperação do nosso organismo. Em outras palavras, isso significa dizer que somos capazes de participar ativamente do nosso processo de cura, apesar de não sermos educados para saber disso. A cura não vem de fora, mas de dentro - remédios, tratamentos e cirurgias são necessários para auxiliar e acelerar essa recuperação, mas não são tudo nem podem fazer todo o trabalho sozinhos. Condicionados como estamos ao modo racional e descartiano de pensamento, que primeiro divide em partes para depois tentar compreender e racionalizar, temos mais dificuldade do que uma criança em entender as capacidades de recuperação do corpo - um garoto de 10 anos ao observar um machucado se cicatrizando entende melhor o conceito do que muitos adultos. É uma mudança de entendimento. Por exemplo, ao se recuperar de uma pneumonia após ingerir antibióticos, qualquer pessoa pensaria que foram os remédios que cur​aram o paciente. A medicina integrativa entenderia que o sistema imune do paciente auxiliado pela redução de bactérias devido ao uso de antibióticos foi quem permitiu a cura. Parecido, mas totalmente diferente.


Dentro desse pensamento integrado, as opções de tratamento disponíveis realmente se ampliam, e a dicotomia entre ocidental e oriental perde o sentido. É como um leque que fica maior: existe todo o rol do qual a medicina tradicional dispõe, mas também as modalidades complementares que tenham evidências científicas de sua segurança e eficácia. Essa parte é muito importante já que pacientes fazem uso de práticas não tradicionais sem avisar seu médico, num sinal de que algo está faltando para elas e num indício de que possam estar mais se prejudicando do que ajudando ao não receberem orientação adequada para isso. Pesquisa feita nos Estados Unidos em 1993 mostrou que 1 em cada 3 pacientes fazia uso de alguma terapia complementar sem contar ao médico responsável pelo seu tratamento.
Na definição do Consortium of Academic Heath Centers for Integrative Medicine, "a medicina integrativa é a prática que reafirma a importância da relação entre médico e paciente, com foco na pessoa como um todo, embasada em evidências, e que usa de todas as abordagens terapêuticas apropriadas para alcançar saúde e cura". Andrew Weil, um dos pioneiros da medicina integrativa, explica o caminho desse conceito associando-o ao da boa medicina, identificada como ele como aquela que utiliza todos os tipos de terapias consagradas cientificamente, sejam oriundas da medicina convencional ou de sistemas médicos não tradicionais, para prevenir e tratar doenças, e promover o bem-estar do paciente. Weil ressalta também a importância dessa abordagem, mostrando que ela acontece em duas dimensões - uma que expande o rol de escolhas terapêuticas e outra que reintegra mente, corpo e coração, num entendimento de que saúde e doença incluem mais do que apenas o corpo. E novamente, num entendimento de que o bem-estar do paciente precisa estar em primeiro plano.
Em maio de 2006, uma portaria do Ministério da Saúde criou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PIC), normatizando a oferta de tratamentos complementares no Sistema Único de Saúde (SUS). Pela norma, passaram a ser oferecidos acupuntura, homeopatia, plantas medicinais e fitoterapia e termalismo. Atualmente, dados do Ministério da Saúde mostram que o SUS faz, em média, 385 mil procedimentos de acupuntura e mais de 300 mil de homeopatia por ano. A oferta desses serviços está disponível em cerca de 1.200 municípios.​​​​

O QUE É MEDICINA INTEGRATIVA E COMPLEMENTAR?


COMPLEMENTAR OU ALTERNATIVO?

Já que a medicina integrativa usa todas as terapias com comprovação científica em prol do bem-estar do paciente, seria ela uma medicina também alternativa?
A confusão com os termos é comum e, por isso, antes de prosseguirmos é importante fazermos duas definições. Definimos medicina alternativa como aquela que preconiza terapias que excluem o tratamento convencional. Por exemplo, o uso de um fitoterápico em substituição à quimioterapia para tratar um tumor. A medicina complementar por sua vez usa terapias e orientações médicas que, como o próprio nome enfatiza, são complementares ao tratamento convencional. No mesmo exemplo, seria o uso da acupuntura para diminuir as náuseas provocadas pela quimioterapia. E é nessa segunda definição que se enquadra a abordagem preconizada pela medicina integrativa.
O propósito é integrar. Juntos, médico e paciente traçam um plano de sobrevivência e busca de bem-estar, mesmo nos quadros mais graves. Para que isso seja possível, é necessário que o médico esteja apto para validar as práticas já trazidas pelo paciente, estimulando o diálogo e fornecendo dados científicos embasados para isso, abrindo espaço, inclusive, para discutir uma possível associação com o tratamento convencional. O entendimento principal é de que terapias que podem ser recomendadas são as que têm evidências de sua eficácia e segurança, como a prática de meditação. As que podem ser aceitas são aquelas com segurança comprovada por pesquisas, mas com eficácia ainda não indicada, por exemplo, sessões de shiatsu. Práticas comprovadamente perigosas e ineficazes, como a associação de alguns fitoterápicos, devem ser desencorajadas e suspensas.
Essa abertura é muito importante para que as opções complementares sejam usadas a favor dos pacientes, que em momentos de fragilidade tendem a aderir a tratamentos sem relatarem a seus médicos. Pesquisas mostram que boa parte dos pacientes oncológicos brasileiros usa práticas complementares ao tratamento convencional. Os dados são alinhados com os americanos - e provavelmente com os do resto do mundo ociental. Trabalho feito no Centro de Medicina Integrativa do Memorial Sloan Kettering Center, em Nova York, publicado na revista científica Oncologist revela que 69% a 80% dos pacientes com câncer usam fitoterápicos, suplementos vitamínicos, orientações nutricionais e acupuntura, entre outros. Cerca de 70% deles não relataram o uso aos seus médicos - inclusive pelo fato de eles não abordarem o tema em suas consultas.
A crescente busca por essas opções está relacionada à redução de efeitos colaterais das drogas, com a sensação de autocuidado e controle no tratamento, com a busca do aumento de bem-estar e qualidade de vida, maximizando a resposta do corpo ao tratamento. Sensações de medo, depressão e ansiedade também são mais bem trabalhadas com auxílio de terapias complementares. Além disso, doenças antes associadas à morte hoje são vivenciadas como crônicas, que nem por isso deixam de provocar incômodos ou limitações, e levam os pacientes a buscas que os ajudem a conviver melhor com seus sintomas.
Uma iniciativa interessante está em curso no Beth Israel Medical Center, em Nova York (EUA), patrocinada pela Fundação Dona Karan. Professores de ioga foram convocados para darem aulas para pacientes oncológicos e enfermeiras estão aprendendo técnicas de relaxamento. Os pacientes estão sendo acompanhados para que seja possível avaliar se a prática da ioga reduz sintomas clássicos do câncer e da quimioterapia, como dores, náusea e ansiedade. Experimentos e iniciativas do tipo estão sendo adotadas com sucesso e custos reduzidos em hospitais e unidades de saúde em várias partes do mundo. Em São Paulo mesmo, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) pesquisa há anos, com resultados bastante animadores, a influência da meditação e das técnicas de biofeedback em transtornos de ansiedade e distúrbios alimentares.
O Hospital Israelita Albert Einstein também tem levado a medicina integrativa a pacientes que convivem com o câncer. As ações do tipo têm sido chamadas de intervenções em estilo de vida.

Razões que estimulam pessoas com câncer a utilizar terapias complementares

  • Auxilio no tratamento dos efeitos colaterais aos tratamentos de câncer, como náusea, dor e fadiga
  • Obtenção de conforto e alívio das aflições decorrentes do tratamento, e conseqüente estresse
  • Sensação de estar fazendo "algo mais" por si mesmo
  • Tentativa de conseguir o melhor para o tratamento e a cura do câncer

Fazendo escolhas

É natural ao ser humano o desejo de lutar contra o câncer de todas as maneiras possíveis. Existe muita informação disponível, e novos métodos de tratamento do câncer estão sendo testados. Em conseqüência de tanta informação, torna-se difícil saber por onde começar. As terapias complementares não são totalmente eficazes para todos os pacientes, porém alguns métodos sempre serão úteis no manejo do estresse, náuseas, dores e outros sintomas ou efeitos colaterais.
Uma mensagem importante é que se procure sempre falar com o medico responsável ao iniciar qualquer nova pratica. Esta atitude irá assegurar que nada poderá interferir no direcionamento do tratamento proposto.

Medicina Integrativa

  • A Medicina Integrativa aborda de forma integral e completa o processo de cura do paciente, envolvendo sua mente, corpo e espírito. Ela combina a Medicina Convencional com as práticas de Medicina Complementares, que tenham se mostrado mais promissoras.
  • Por exemplo, usar conhecimentos de relaxamento para reduzir o estresse durante a quimioterapia.

Medicina Complementar

  • A Medicina Complementar é usada "em conjunto" com os tratamentos médicos convencionais.
  • Um bom exemplo é a utilização da acupuntura no alívio dos efeitos colaterais causados pelo tratamento do câncer.

Medicina Alternativa

  • A medicina alternativa é usada "em substituição" aos tratamentos médicos convencionais.
  • Um exemplo é o uso de uma dieta especial para tratamento do câncer, em substituição a um método convencional sugerido pelo oncologista.
  • Ressaltamos que a utilização de terapias alternativas não é recomendada pelos praticantes de medicina integrativa, sobretudo em pacientes portadores de câncer.

Medicinas para mente e corpo

Baseadas na crença de que a mente é capaz de exercer influência sobre o corpo. Alguns exemplos são:
  • Meditação: focando na respiração e repetindo palavras ou frases para aquietar a mente
  • Hipnose: um estado de relaxamento no qual o paciente concentra seu foco de atenção em determinado sentimento idéia ou sugestão, para auxiliar o processo de cura
  • Yoga: sistema de posturas e alongamentos, que dedica especial atenção à respiração
  • Visualização: imaginando cenas, quadros ou experiências de prazer e felicidade para estimular a cura
  • Atividades criativas: como artes, música ou dança.

Práticas baseadas em biologia

Este tipo de medicina utiliza o que a natureza nos oferece, como por exemplo, suplementos vitamínicos e produtos fitoterápicos. Alguns exemplos são:
  • Vitaminas
  • Ervas
  • Alimentos
  • Dietas especiais
Uma observação a respeito de nutrição: é muito comum às pessoas com câncer terem dúvidas a respeito da alimentação durante o tratamento da doença. É importante saber que não existem alimentos ou dieta especial que tenha comprovada importância no controle do câncer. Grande quantidade de um mesmo alimento não irá ajudar, e poderá ser prejudicial. Devido às necessidades nutricionais específicas, o ideal é que o paciente consulte seu médico para obter a orientação correta do alimento que deverá ingerir.

Praticas de manipulação corporal

São técnicas baseadas no trabalho manual aplicado sobre uma ou mais partes do corpo. Alguns exemplos:
  • Massagem: manipulação dos vários tecidos do corpo humano usando as mãos e eventualmente algum aparelho especializado.
  • Shiatsu: é um tipo de manipulação corporal que utiliza pressão em pontos específicos do corpo, visando obter relaxamento e melhora do estado geral.

Terapias baseadas em energia

Esta medicina se baseia na crença de que o corpo humano possui campos energéticos e que a energia é parte vital do equilíbrio de nosso corpo. Alguns exemplos:
  • Tai Chi Chuan: envolve lentos e suaves movimentos corporais, com foco na respiração e concentração profunda.
  • Reiki: busca o equilíbrio de energia, tanto à distancia como em proximidade do paciente, através da postura de mãos.
  • Toque Terapêutico: o terapeuta movimenta as mãos sobre os campos energéticos do corpo.

Sistemas médicos tradicionais

Estes são sistemas de cura e crenças muito antigos provindos de diferentes culturas e lugares do mundo. Alguns exemplos:
  • Medicina ayurveda: provinda da Índia, esta medicina enfatiza o equilíbrio entre mente, corpo e espírito.
  • Medicina chinesa: baseada na crença de que a saúde é o resultado da perfeita harmonia de duas forças denominadas Yin e o Yang.
  • A acupuntura é uma prática comum da medicina chinesa, que envolve a estimulação de pontos específicos através de agulhas finíssimas, visando a melhora da saúde e a redução de sintomas e efeitos colaterais.
  • Homeopatia: utiliza doses extremamente pequenas de agentes e de seu substrato energético que estimulam o organismo a promover a autocura.

Acupuntura médica


Consiste no uso de agulhas, inseridas em pontos do corpo capazes de regular funçães orgânicas.
Integrada ao Hospital Israelita Albert Einstein desde outubro de 2005, é indicada para o tratamento de dor é realizada ambulatorialmente, no Centro de Reabilitação, ou no leito para os pacientes internados.
Aplicada por m édicos com t ítulo de especialista em acupuntura pela Associação Médica Brasileira.
O pré-requisito é possuir um encaminhamento médico para analgesia por acupuntura, onde conste o diagnóstico.
O tratamento por acupuntura pode ser feito concomitantemente a outros, como a fisioterapia.
Nas sessões, são utilizadas agulhas esterilizada descartáveis de uso único, fornecidas pelo hospital. As sessões são agendadas previamente e tem duração aproximada de 20 minutos.

Coordenador do Serviço do Albert Einstein

Dr. Paulo de Tarso Lima

·         Médico e Cirurgião pela  PUC  de Campinas, São Paulo, Brasil;
·         Mestre em Medicina pela Universidade de São Paulo, Brasil;
·         Especialista em Administração pela  FGV  , São Paulo, Brasil;
·         Membro - The Nutrition Society – Inglaterra;
·         Membro – Society for Integrative Oncology;
·         Clinical Training in Mind Body Medicine pela Havard Medical School – Boston – EUA;
·         Professional Training in Mindfulness Based Stress Reduction Program, University of Massachusetts – EUA;
·         Fellowship - Program in Integrative Medicine, University of Arizona – EUA.

CURSO



Fale com seu médico antes de utilizar a medicina integrativa


Alguns pacientes receiam que seu médico desaprove ou não compreenda o uso da medicina integrativa. Sabemos, porém, que os médicos aceitam e valorizam o desejo do paciente em participar ativamente do processo de cura. O médico sempre irá desejar o melhor para seu paciente, ansiando por fazer o trabalho em conjunto.
Fale com seu médico para assegurar-se de que todos os métodos escolhidos podem atuar em harmonia. Este posicionamento é importante porque escolhas que parecem seguras - como certos alimentos e fitoterápicos - podem interferir no tratamento proposto pelo médico responsável.


O que devo perguntar ao médico a respeito da medicina integrativa?

Quais as opções de medicina integrativa eficazes para:
  • Ajudar a enfrentar meu problema, reduzir o estresse e me sentir melhor?
  • Ajudar a me sentir menos cansada?
  • Ajudar a lidar com os sintomas do câncer como a dor, ou os efeitos colaterais do tratamento, como as náuseas?

Nem sempre o produto "natural" é um produto seguro

Alguns fatos importantes a respeito de suplementos dietéticos, como fitoterápicos e vitaminas.

Estes suplementos poderão afetar negativamente a eficácia da medicação convencional.

Plantas e alguns produtos à base de plantas podem alterar a eficácia dos remédios e quimioterápicos, não permitindo que eles desempenhem no organismo a função para a qual foram indicados. Tanto faz se estes remédios foram prescritos pelo médico, ou comprados diretamente das prateleiras de farmácias.
Por exemplo, a conhecida Erva de São João (Hypericum perforatum), que alguns pacientes com câncer utilizam para a depressão, pode alterar o efeito de certas drogas anticâncer, impedindo o resultado esperado do medicamento.

Ervas podem atuar como "drogas" no organismo.

Suplementos de ervas podem ser prejudiciais se ingeridos puros, misturados a outras substâncias ou ainda em doses inadequadas. Por exemplo, alguns estudos demonstram que a Kava-Kava (Piper methysticum), conhecida planta que é usada no controle do estresse e da ansiedade, pode causar dano ao fígado.

Vitaminas também podem causar danos ao organismo.

Altas doses de vitaminas, como por exemplo, vitamina C podem afetar o modo de atuação da quimioterapia e da radioterapia. Grandes doses de vitaminas não são seguras – até mesmo para pessoas saudáveis.
Informe ao médico se você faz uso de suplementos vitamínicos - não importa o quanto você imagina que sejam seguros. Esta é uma atitude muito sensata. Embora alguns aleguem que determinadas vitaminas vêm sendo usadas há muito tempo, dificilmente se obtém confirmações científicas que provem sua eficácia e segurança. É importante ser cauteloso.
Os suplementos não requerem aprovação governamental para sua comercialização. Da mesma forma a prescrição médica não é obrigatória. Portanto, o consumidor deve decidir o que é melhor para si.

O que devo perguntar ao terapeuta a respeito das terapias complementares?

  • Como a terapia poderá ajudar-me?
  • Você conhece estudos que comprovem sua atuação benéfica?
  • Quais são os riscos e efeitos colaterais?
  • Quanto tempo deve durar a terapia?
  • Qual será o custo?
  • Você tem material que eu possa ler para obter informações?
  • Existe alguma razão pela qual eu não deva usar esta técnica?
​​​​​Publicado em 18/11/2011



Mente, corpo e espírito no centro do cuidado



O Einstein preparou uma série com seis videoaulas com exercícios e práticas de relaxamento, concentração, respiração etc. Nossos especialistas ensinam noções básicas do Pranayama, Asanas, Grouding etc. Assista!







Publicado em 16/04/2014


Saúde Além da Cura

Em 2008 era estimado que no Brasil ocorreriam 466.730 novos casos de câncer. À exceção dos tumores de pele do tipo não-melanoma, os mais comuns continuariam sendo os de próstata e de pulmão nos homens, de mama e de colo do útero nas mulheres.
Saúde além da cura
Apesar do número crescente de pacientes diagnosticados com câncer, cresce a cada ano o número e a proporção de pacientes que são curados.
Essa nova expectativa de maiores taxas de cura é resultado dos progressos na área da saúde. Com a possibilidade de diagnóstico precoce, medicamentos e tratamentos avançados, que resulta em um número maior de pacientes que terminaram o tratamento, passa a ser prioridade abordar os problemas específicos destes pacientes após o tratamento oncológico.
Pensando em quem venceu a doença, o Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) lançou em fevereiro de 2008 o Programa Saúde Além da Cura - Survivorship. O novo serviço é pioneiro no Brasil e foi desenvolvido com base em exemplos internacionais, como o do M.D. Anderson Cancer Center, nos Estados Unidos.
"Nosso objetivo é oferecer atenção especial, por meio de equipe multiprofissional, às pessoas que passaram pelo tratamento de câncer, restabelecendo a qualidade de vida destes pacientes", explica o dr. Rafael Kaliks, oncologista clínico e coordenador do programa.
Após o choque inicial e a espera pelo término do longo tratamento, é difícil acreditar que a vida volte ao normal. Mas isso felizmente ocorre. Visando à retomada das atividades habituais, o paciente passará por avaliação multiprofissional feita por nutricionista, psicólogo e fisiatra - para checar as limitações físicas, oncologista - para verificar efeitos tardios da quimioterapia, além de avaliação com especialista em medicina integrativa e complementar e oncogeneticista. Com base nessas informações, é gerado um relatório com recomendações específicas, a ser posteriormente discutido pelo paciente e seu médico.
Toda essa orientação torna possível a diminuição dos efeitos colaterais, complicações no tratamento, prevenção de novos tumores possibilitando melhora na qualidade de vida. A inclusão inovadora de especialista em medicina complementar permitirá um encaminhamento orientado para tratamentos específicos como reiki, acupuntura, ioga e meditação, entre outros.
Profissionais do grupo levantarão as melhores indicações e benefícios de cada uma destas modalidades de forma personalizada. Este serviço segue a tendência cada vez maior da procura por tratamentos complementares.
O paciente passa por, no máximo, três visitas com o médico coordenador, permitindo avaliação de exames pertinentes e encaminhamento aos demais especialistas da equipe. "Podemos, por exemplo, pesquisar se o tumor foi resultado de prédisposição genética hereditária, com o auxílio do oncogeneticista", informa o dr. Rafael Kaliks.
Vale ressaltar que pacientes que estão em tratamento contra a doença podem também solicitar a avaliação de profissionais específicos do programa.
Publicada em março/2008
Atualizada em novembro/2009

Aquiete sua mente e beneficie sua saúde

Entre as inúmeras atividades com as quais você fica envolvido durante todo o dia e parte da noite, qual é o momento em que dá uma parada, mesmo que rápida, para pensar em si mesmo? Se você pensou que isso ocorre antes de dormir, a resposta não valeu.
Aquiete sua mente e beneficie sua saúde
Geralmente, o dia foi tão atribulado que esse não é o melhor momento para se cuidar. O corpo estará tenso, os pensamentos a todo o vapor e você dificilmente alcançará os benefícios de estar sozinho consigo.
Aliás, parar nem que seja por dez minutos e se concentrar em algo que faz bem parece, para muitos, uma perda de tempo. Pedir que alguém se desligue de tudo que precisa ser feito – que é aquietar a mente – por poucos minutos pode ser um martírio.
Entretanto, muitos já se renderam aos benefícios da meditação, uma boa alternativa para desconectar-se do mundo exterior e concentrar-se apenas em si, seja para acalmar os pensamentos e ter condições de tomar decisões importantes com mais tranqüilidade ou simplesmente experimentar um momento exclusivamente seu.
"Algumas pessoas podem ter a impressão de que quem medita está parado ou não está fazendo nada. Pelo contrário, meditar exige muita disciplina e, consequentemente, esforço.
Passamos muito tempo da vida cuidando do mundo externo, enquanto todos deveriam reservar um tempo do dia para o autocuidado, a higiene não só física, mas também mental", explica o dr. Gilbert Bang, médico fisiatra do Centro de Reabilitação do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Aquiete sua mente!

A meditação nada mais é do que um exercício de atenção concentrada, que pode ser realizado por qualquer pessoa, independentemente de idade, gênero ou crença. Cada tipo de técnica - e vale lembrar que há milhares - tem objetivos específicos. De qualquer forma, o foco é vivenciar o momento presente, o que por si só promove relaxamento e crescimento pessoal e espiritual.
No livro Medicina e Meditação: Um Médico Ensina a Meditar (MG Editores), o dr. Roberto Cardoso, médico e pesquisador da área de meditação na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), afirma que o objetivo da meditação é apenas observar, sem tentar dominar, julgar, comparar ou analisar os pensamentos. "Qualquer que seja a técnica de meditação utilizada, trata-se apenas de um caminho para driblar a mente e atingir o estado meditativo", explica.
As técnicas meditativas podem ter como meio de concentração ritmo respiratório, sons, objetos, movimentos, visualização de imagens. "Não é preciso meditar apenas sentado, da forma clássica como a maioria das pessoas imagina. Há técnicas de meditação ativa, que podem ser realizadas andando", explica o dr. Bang.
Durante a meditação, as ondas cerebrais de baixa frequência (alfa, teta e delta), que estão relacionadas ao estado de relaxamento, tomam conta do cérebro. Em contrapartida, as ondas beta, de alta frequência - que são relacionadas ao estado de vigília ou atividade normal -, aparecem em menor quantidade. Com o cérebro tomado por ondas de baixa frequência, o organismo todo desacelera: diminuem a frequência cardíaca, a pressão arterial e o ritmo respiratório.
Qualquer que seja a técnica de meditação utilizada, trata-se apenas de um caminho para driblar a mente e atingir o estado meditativo
Os efeitos da prática não são sentidos apenas de forma fisiológica. O lado emocional também é afetado de forma benéfica. Entre as sensações descritas por meditadores estão o relaxamento mental, a paz interior, a felicidade, a satisfação, a harmonia e a menor tendência a perder o controle diante de situações inusitadas.

Meditar como recomendação médica

Cada vez mais, a medicina comprova os benefícios de terapias alternativas, entre as quais a meditação. Prova disso é o crescente número de pesquisas sobre o tema, muitas delas feitas no Instituto Henry Benson de Medicina para Mente/Corpo, coligado à Universidade de Harvard, nos EUA. Lá, os médicos receitam meditação para pacientes com hipertensão arterial, problemas cardíacos, insônia e dores, inclusive as crônicas, em que a meditação ajuda a suportar melhor o desconforto.
No Einstein, as terapias complementares também têm seu espaço no setor de Medicina Integrativa, vinculado ao Programa Integrado de Oncologia, coordenado pelo dr. Paulo de Tarso Lima. "O Einstein está envolvido com o desenvolvimento de protocolos de pesquisa para atestar os benefícios da meditação, um dos quais vai analisar a ressonância magnética funcional de pacientes que se submeteram a um retiro de meditação", explica.
Outra possibilidade que está disponível aos pacientes do Programa Saúde Além da Cura são as aulas de kundalini ioga, que contemplam técnicas de respiração e meditação. O médico Rodrigo Yacubian Fernandes formou-se instrutor dessa modalidade de ioga nos Estados Unidos e há mais de um ano aplica a técnica em quem sofre com doenças psiquiátricas e oncológicas.
"Nos pacientes com transtornos de ansiedade e depressão, por exemplo, o medo da doença diminui, e a qualidade do sono e a concentração melhoram", explica o médico. Nos pacientes oncológicos, os benefícios são demonstrados no controle da ansiedade e do medo da doença tanto no diagnóstico quanto no tratamento.
"O medo da morte costuma ser mais intenso nesses pacientes e, com a ajuda das posturas, respirações e meditações, eles podem passar a encarar isso de forma diferente, com menos medo e ansiedade", avalia o dr. Rodrigo.
O dr. Bang recomenda técnicas de meditação para seus pacientes e a reação é positiva. É essencial, porém, o esclarecimento sobre a técnica, efeitos e a rotina necessária para alcançar os objetivos. "Nos casos de dores crônicas, de difícil tratamento, ou quando há aspectos psicológicos envolvidos, a meditação é uma ferramenta complementar interessante.
Como há o relaxamento corporal e a diminuição do ritmo biológico, os pacientes recuperam a energia, sentem-se mais dispostos e mais motivados a seguir o plano de tratamento", afirma o fisiatra.
Publicada em abril/2008
Atualizada em novembro/2009

Fonte:http://www.einstein.br/Hospital/oncologia/nossos-servicos/medicina-integrativa/Paginas/o-que-medicina-integrativa-complementar.aspx