A GLÃNDULA TIMO É A CHAVE PARA A IMUNIDADE

A Glândula Timo





Timo - As sete glândulas endócrinas no homem








4. A GLÂNDULA TIMO






Do grego, Thymus, significa energia vital. O timo situa-se na porção superior do mediastino


anterior. Limita-se, superiormente, com a traquéia, a veia jugular interna e a artéria carótida


comum. Lateralmente, com os pulmões, e inferior e posteriormente com o coração. Sua cor é


variável. Vermelha no feto, branco-acinzentada nos primeiros anos de vida e, depois,


amarelada. O timo, plenamente desenvolvido, é de formato piramidal, encapsulado e formado


por dois lobos fundidos.


Por ocasião do nascimento pesa de 10 a 35g e continua crescendo de tamanho até a


puberdade, 15 anos, quando alcança um peso máximo de 20 a 50g. Daí por diante sofre


atrofia progressiva e passa a pesar pouco mais de 5 a 15g no idoso. O ritmo de crescimento


tímico na criança e de involução no adulto é extremamente variável e, portanto, difícil


determinar o peso apropriado para a idade. Contudo, o timo continua a exercer sua função


protetora, com a produção complementar de anticorpos, mesmo que nesse período seu


desempenho já não seja vital, pois há uma compensação pela proteção imunológica conferida


pelo baço e nodos linfáticos, ainda imaturos nos recém-nascidos.






4.1 O TIMO E OS LINFÓCITOS T






Externamente, o timo é revestido por uma cápsula de tecido conjuntivo, de onde partem


septos que dividem o órgão em numerosos lóbulos. Cada lóbulo apresenta uma capa, o


córtex, que é mais escura, e uma polpa interior, a medula, que é mais clara. Tanto a zona


cortical quanto a medular apresentam células de estrutura epitelial misturadas com um


grande número de linfócitos T e, ocasionalmente, células B e macrófagos.


Em termos fisiológicos, o timo elabora uma substância, a timosina, que mantém e promove a


maturação de linfócitos e órgãos linfóides como o baço e os linfonodos. Reconhece-se, ainda, a


existência de uma ou outra substância, como a timina, que exerce função na placa mioneural


(junção de nervos com músculos) e, portanto, nos estímulos neurais e periféricos, sendo


responsável por doenças musculares.






4.2 OS LINFÓCITOS B [O EXÉRCITO COMBATENTE]






As células do sistema imunológico formam um forte exército, cujos principais elementos são


linfócitos. Os linfócitos B ou células B são células que produzem anticorpos circulantes. Os


anticorpos são pequenas proteínas, membros da família das imunoglobulinas, que atacam


bactérias, vírus e outros invasores externos (antígenos).


Os anticorpos se "encaixam" às moléculas de antígeno que atacam como uma chave que se


ajusta à fechadura. Cada anticorpo ataca apenas um tipo de antígeno. Por exemplo, um vai


atacar o vírus do resfriado, enquanto o outro ataca uma bactéria, e cada linfócito B produz


apenas um tipo de anticorpo para cada epítopo ( epítopo = parte do antígeno que é capaz de


estimular a produção de anticorpos específicos contra ele).






4.3 AS CÉLULAS T [PATRULHEIRAS - “NATURAL KILLERS”]






Os linfócitos T ou células T não produzem anticorpos. Essas células atacam o invasores


externos ou trabalham junto com outras células que o fazem ("T "vem do Timo, onde essas


células se desenvolvem).


Os vários grupos de células T possuem diferentes funções : as células T citotóxicas, junto com


outras células sangüíneas citotóxicas naturais [NK - natural Killer) patrulham


constantemente o organismo em busca de células perigosas. Quando encontram essas células


T "associam-se" às células invasoras e liberam substâncias químicas microscópicas que as


destroem. Cada célula T citotóxica, assim como cada anticorpo, ataca apenas um alvo muito


específico. Alguns atacam células que foram infectadas por vírus, outros atacam células


cancerosas e alguns atacam tecidos e órgãos transplantados.


Cada célula citotóxica natural (NK), por sua vez, tem uma ampla gama de alvos e pode atacar


tanto células tumorais quanto uma variedade de micróbios infecciosos. Dois outros tipos de


células T, chamada de células T "auxiliar ou LT-helper" e "supressores" são especialmente


importantes devido aos seus efeitos regulatórios sobre o sistema imunológico.


As células T auxiliares ajudam os linfócitos B a produzir anticorpos, enquanto as células T


supressores desativam a ação das células T auxiliares quando o número de anticorpos


produzidos é suficiente. Essas células comunicam-se entre si produzindo interferons,


interleucinas e outros mensageiros químicos que governam a atividade das células do sistema


imunológico. A proporção entre células auxiliares/supressores deve ser equilibrada para a


saúde do organismo.






4.4 MENTE X SISTEMA IMUNOLÓGICO






Os linfócitos T e B têm receptores na superfície de suas células que podem acionar, dirigir e


modificar suas funções imunológicas. Esses receptores são a base molecular da influência da


mente nos linfócitos. Os receptores são como fechaduras que podem ser abertas para acionar


as atividades de cada célula. As chaves que abrem essas fechaduras são as moléculas


mensageiras da mente-corpo: os neurotransmissores do sistema-nervoso autônomo, os


hormônios do sistema endócrino e os imunotransmissores do sistema imunológico.


4.5 A TIMOSINA


A timosina pode servir como imunotransmissor, modulando os eixos hipotalâmicos


hipofisário-suprarrenal e das gônadas. O sistema nervoso seria capaz de alterar o curso da


imunidade via caminhos autônomo e neuroendócrino.


Alguns trabalhos concluem que os humanos podem treinar a si mesmos para facilitar seus


processos de cura interna mente-corpo.






4.6 ESTRESSE E DIMINUIÇÃO DA VIGILÂNCIA IMUNOLÓGICA DO ORGANISMO






Qualquer forma de estresse resultante de uma significativa mudança de vida (ex: a morte de


um membro da família, mudança de emprego, mudança de família, etc.) pode ativar o eixo


cortical-hipotalâmico-suprarrenal para produzir os corticoesteróides que suprimem o sistema


de vigilância imunológica (lembrando que os corticóides atuam no núcleo das células


retardando a multiplicação celular e isso impede a expansão clonal leucocitária).


Em resposta à mudança estressante de vida observa-se uma diminuição na atividade das


células NK (Natural Killer), exterminadoras naturais. A boa habilidade em lidar com desafios


(poucos sintomas diante de um considerável estresse) está associada com uma alta atividade


celular NK exterminadora natural.






EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS PARA O TIMO






EXERCÍCIO 1 [Estimulação do Timo]






Glândula Timo - Exercício 1






♦ Fazer pequenas “batidinhas’ com a polpa dos dedos no


esterno (localizado


aproximadamente a 2 dedos abaixo da clavícula)


Faça estas “batidinhas” ao redor desta região, explorando e


sentindo estas vibrações. Sinta o aquecimento produzido nesta


região.






EXERCÍCIO 2 [Abraçar o ombro]






Glândula Timo - Exercício 2






♦ Em pé, tronco ereto, com o braço direito “abrace” o ombro


esquerdo [ver fig.].


♦ Coloque a mão um pouco abaixo do ombro esquerdo e vá


“caminhando” com os dedos em direção à escápula esquerda


o máximo que puder. Faça o mesmo com o braço esquerdo.


Sinta a presença do Timo.






EXERCÍCIO 3 [Contraindo e expandindo o Timo]






Glândula Timo - Exercício 3






♦ De pé, braços soltos ao longo do corpo, volte as palmas das


mãos para fora e girando os braços, una o dorso das mãos em


frente ao abdômen e expire todo o ar dos pulmões.


♦ A seguir, desfaça a posição e abrindo os braços leve-os para


trás, abrindo o peito e inspirando. Abra os braços até que as


palmas das mãos se encontrem atrás [nas costas], e se unam


na altura do osso sacro.


Faça algumas vezes este movimento.






EXERCÍCIO 4 [Mãos na nuca e cotovelos abertos]






Glândula Timo - Exercício 4






♦ Erga os braços e coloque as mãos entrelaçadas sobre a


nuca, os cotovelos abertos. Abra o peito inspirando e levando


os cotovelos para trás, sem tirar as mãos da nuca.


♦ Sinta a expansão produzida por este movimento simples,


permita-se saborear a sensação de espaço, liberdade,


desobstrução.


♦ Ao expirar, junte os cotovelos à frente suavemente. Coloque


sua atenção no timo. Faça algumas vezes.


Quando perceber que alguém próximo a você se encontra acabrunhado,


comprimido por problemas, aconselhe este movimento.






FINALIZAÇÃO [Garras de urso e movimento da gangorra]






Glândula Timo - Exercício 5






♦ Enganche suas mãos [como garras de urso] em frente ao peito. Abra bem os braços


deixando-os paralelos ao peito


♦ Inicie um movimento com os cotovelos, levando um em direção ao “Céu” (pra cima) e outro


em direção à “Terra” (pra baixo). Eleve primeiro o cotovelo direito (o esquerdo desce em


direção à Terra), depois suba o esquerdo (lembra uma gangorra) e o direito desce em


direção à Terra.


♦ Faça com os músculos das costas relaxados, não aplique força. Não permita nenhuma


tensão muscular.


Estimule o timo o máximo que puder, faça amizade com esta glândula. Ela produz alegria e


dependemos dela para equilibrar o sistema imunológico.


Fonte:
http://www.ogrupo.org.br/glandula_timo.asp