NEUROPEPTIDIOS : AS EMOÇÕES E A MENTE DO CORPO

Artigos - Saúde e Medicina- ÓRION DIGITAL



Escrito por Candace Pert


Qua, 14 de Janeiro de 2009 23:48


Índice do Artigo


Neuropeptídeos: as Emoções e a Mente do Corpo


A Especificidade dos Sites Receptores


A Bioquímica das Emoções


Comunicar com o Sistema Imunológico.


A Mente como Informação


A Unidade da Variedade


A Mente está no Cérebro?

Isto é uma versão revisada de um artigo adaptado por Harris Dienstfrey de uma palestra proferida no Simpósio sobre Consciência e Sobrevivência, patrocinado pelo Instituto de Ciências Noéticas em 25-26 de Outubro, 1985; reimpresso com permissão do Advances, Volume 3, Número 3, Verão 1986, Instituto para o avanço da saúde. Pert participou do painel de onze acadêmicos e cientistas que aplicaram os insights dos resultados de suas pesquisas sobre as relações mente/corpo à questão: A consciência individual sobrevive à morte física?







Nota do editor: Neuropeptídeos são substâncias químicas produzidas e liberadas pelas células cerebrais e determinadas outras células. Pesquisa recente indica que esses neuropeptídeos podem fornecer a chave para um entendimento da química da emoção do corpo. Aparentemente servem como uma recém-descoberta forma de comunicação interna do corpo. Essa é a conclusão da bioquímica Dra. Candace Pert, que descreve a pesquisa que a levou a este ‘insight’ no artigo anexo. Ela também explora as implicações de longo alcance desse novo ‘link’ informacional.






Pert esteve entre os primeiros pesquisadores que demonstraram que drogas opiáticas como a morfina e a heroina se agregam às células ou ‘sites receptores’ no cérebro. Essa descoberta, juntamente com a descoberta de que o corpo produz suas próprias químicas do tipo opiato que se agregam aos mesmos sites receptores, abriu toda uma nova abordagem à investigação do papel da química cerebral e das emoções humanas.






A relação entre os neuropeptídeos e seus sites receptores específicos se assemelha ao da ‘chave com o trinco’. Os neuropeptídeos flutuam através de, praticamente todos os fluidos do corpo e são atraídos apenas a receptores específicos porque de fato, se encaixam em trincos específicos. Isto estabelece um sistema de informações no qual os neuropeptídeos ‘falam’ e os receptores ‘ouvem’. Pert acredita que esse sistema de comunicação é fundamental à bioquímica da emoção. "Quando documentarmos o papel primordial que as emoções, expressas através das moléculas de neuropeptídios, desempenham em afetar o corpo, se tornará claro que as emoções podem ser a chave ao entendimento da doença" diz Pert.






Irei descrever uma variedade de descobertas fascinantes, na maioria recentes, sobre as substâncias químicas no corpo denominadas neuropeptídeos. Baseada nessas descobertas, vou concluir que os neuropeptídeos e seus receptores formam uma rede de informações dentro do corpo. Talvez essa sugestão pareça relativamente inócua, mas suas implicações são de longo alcance.






Eu acredito que os neuropeptídeos e seus receptores são uma chave para entender como a mente e o corpo estão interconectados e como as emoções podem ser manifestadas em todo o corpo. De fato, quanto mais aprendemos sobre os neuropeptídeos, mais difícil se torna pensar nos termos tradicionais sobre a mente e o corpo. Faz cada vez mais sentido falar de uma entidade única, integrada, um ‘corpo-mente’.






A maior parte do que descreverei são descobertas laboratoriais, ‘hard science’(ciências não convencionais). Mas é importante lembrar que o estudo científico da psicologia tradicionalmente foca em aprendizado e cognição animal. Isto significa que se olharmos o índice de livros recentes sobre psicologia, dificilmente encontraremos uma categoria para ‘conciência’, ‘mente’ ou até mesmo ‘emoções’. Esses tópicos basicamente não estão na esfera da psicologia experimental tradicional, que estuda primordialmente o comportamento porque é algo visível e mensurável.














A Especificidade dos Sites Receptores


Existe um campo na psicologia onde a mente pelo menos a consciência tem sido estudado objetivamente por cerca de vinte anos. É o campo da psicofarmacologia onde pesquisadores desenvolveram formas altamente rigorosas para medir os efeitos das drogas e estados alterados de consciência.






A pequisa nesse campo evoluiu à partir da suposição de que nenhuma droga age se não for ‘fixada’, isto é, ficar de alguma forma agregada ao cérebro. Portanto os pesquisadores inicialmente imaginaram constituintes de tecidos hipotéticos aos quais uma droga poderia aderir de forma semelhante ao encaixe de uma chave no trinco e os denominaram ‘receptores’. Desta maneira, a noção de receptores cerebrais específicos para drogas tornou-se uma teoria central na farmacologia. A idéia é bastante antiga.






Nos anos recentes, um desenvolvimento crítico foi a inveção de novas tecnologias para realmente aderir as drogas a essas moléculas receptoras e para estudar tanto sua distribuição no cérebro e no corpo como sua própria estrutura molecular.






Meu trabalho inicial nessa área foi no laboratório de Solomon Snyder na Universidade John Hopkins, onde focamos a atenção no ópium, uma droga que obviamente altera a consciência e também é utilizada na medicina para aliviar a dor. Trabalhei intensamente por muitos meses de insucessos iniciais para desenvolver um sistema técnico de medir o material no cérebro que interage com o ópium para que ele produza efeito. Encurtando uma longa (e técnica) história, usamos moléculas de drogas radioativas, e com essa tecnologia conseguimos de fato identificar o elemento receptor para o ópio dentro do cérebro. Podemos imaginar, portanto, uma molécula de ópium agregando-se a um e daí, dessa pequena conexão, grandes mudanças se seguem. Em seguida constatou-se que toda a classe de drogas à que pertence o ópium, denominada opiatos, que inclui morfina, codeina, e heroína, aderem aos mesmos receptores. Além disso descobrimos que os receptores estavam espalhados não somente no cérebro mas em todo o corpo. receptor






Após a descoberta dos receptores para opiatos externos, nosso pensamento deu mais um passo. Se o cérebro e outras partes do corpo têm um receptor para algo externo ao corpo, faz sentido supor que algo produzido dentro do próprio corpo também se encaixe no receptor. Outrossim, porque o receptor estaria alí?






Essa perspectiva enfim levou à identificação de uma das formas de opiatos do próprio cérebro, uma substância química chamada beta endorfina. A beta endorfina é criada nas células nervosas do próprio cérebro e consiste de peptídeos, portanto é um neuropeptídeo. Além do mais, peptídeos nascem diretamente do DNA que armazena a informação que faz nossos cérebros e corpos.






Se imaginarmos uma célula nervosa comum, podemos visualizar o mecanismo geral. No centro (como em qualquer célula) está o DNA, e um demonstrativo impresso direto do DNA leva à produção de um neuropeptídeo, que em seguida se transporta pelos axônios da célula nervosa para ser armazenada em pequenas bolinhas nas extremidades aguardando os eventos eletrofísicos que irão liberá-lo. O DNA também leva à produção de receptores, que são formados do mesmo material peptídido mas são bem maiores. O que temos a acrescentar à esse quadro é o fato de ter sido identificados de 50 a 60 neuropeptídeos, cada um tão específico quanto o beta endorfina. Temos aqui um sistema imensamente complexo.






Até bem recentemente, pensava-se que a infromação dos sistemas nervosos era distribuída através do gap (espaço vazio) entre duas células nervosas, denominado sinapse. Isso significava que a proximidade da célula nervosa determinava o que poderia ser comunicado.






Mas agora sabemos que a maior parte da informação proveniente do cérebro é mantida em ordem não pela justaposição física de proximidade das células nervosas mas pela especificidade dos receptores. O que pensávamos ser um sistema linear altamente rígido, revela-se possuidora de modelos muito mais complexos de distribuição.






Portanto, quando uma célula nervosa emite peptídeos opiáticos, eles podem atuar há ‘quilometros’ de distância de outras células nervosas. O mesmo se aplica a todos os neuro peptídeos. A qualquer dado momento, muitos peptídeos podem estar flutuando pelo corpo e o que possibilita que eles se acoplem às moléculas receptoras corretas é, repetindo, a especificidade dos receptores. Portanto, os receptores servem como mecanismo para selecionar a troca de informações dentro do corpo.














A Bioquímica das Emoções


À que isto nos leva? À algo muito intrigante, a noção de que os receptores dos neuropeptídeos são de fato as chaves à bioquímica da emoção. Nos últimos dois anos, a equipe do meu laboratório formalizou essa idéia em diversos documentos e eu vou revisar brevemente a evidência de suporte.






Devo dizer que alguns cientistas podem achar essa idéia absurda. Não faz parte, em outras palavras, da sabedoria estabelecida. De fato, partindo de uma tradição onde os livros nem contêm a palavra ‘emoções’ no índice, não foi com pouca trepidação que ousamos começar a falar sobre o substrato bioquímico das emoções.






Iniciarei observando um fato sobre o qual os neurocientistas têm concordado por muito tempo: que as emoções são mediadas pelo sistema límbico do cérebro. O sistema límbico se refere a um setor de partes neuro-anatômicas do cérebro que incluem o hipotálamo (que controla o mecanismo homeostático do corpo e às vezes é denominado o "cérebro" do cérebro), a glândula pituitária ( que regula os hormônios do corpo) e a amígdala. Vamos falar principalmente do hipotálamo e da amígdala.






Os experimentos que demonstram a conexão entre as emoções e o sistema límbico foram realizados inicialmente por Wilder Penfiels e outros neurologistas que trabalharam com indivíduos conscientes, acordados. Eles descobriram que quando usavam eletrodos para estimular o córtex sobre a amígdala, poderiam evocar uma larga gama de demonstrações emocionais: reações poderosas de sofrimento, de dor, de prazer associadas a memórias profundas, e também o acompanhamento somático total de estados emocionais. O sistema límbico, portanto, foi identificado primeiro por experimentos psicológicos.






Quando começamos a mapear a localização dos receptores opiáticos no cérebro, descobrimos que o sistema límbico é altamente enriquecido por esses receptores ( além de outros que eventualmente descobrimos também). A amígdala e o hipotálamo, ambos considerados classicamente como os principais componentes do sistema límbico, estão de fato reluzindo com receptores opiáticos, 40 vezes mais que nas outras áreas do cérebro.






Esses hot spot" (pontos de foco) correspondem ao próprio núcleo ou grupos celulares que psicólogos fisiológicos identificaram como mediadores de tais processos como comportamento sexual, apetite, equilíbrio de água no corpo. O fator primordial é que nosso mapeamento de receptores confirmou e expandiu de maneiras importantes os experimentos psicológicos que definiram o sistema límbico.






Agora me permita introduzir alguns outros neuropeptídeos. Eu já observei que de 50 a 60 substâncias são atualmente consideradas neuropeptídeos. De onde vêm? Muitos são análogos naturais de drogas psicoativas. Contudo outra fonte, muito inesperada, são os hormônios. Historicamente os hormônios foram concebidos como sendo produzidos pelas glândulas, ou seja, não por células nervosas. Um hormônio, presumia-se, era armazenado em algum lugar do corpo, depois era transportado para seus receptores em outras partes do corpo. O hormônio primordial é a insulina, que é secretada no pâncreas. Entretanto, agora, descobriu-se que a insulina não é apenas um hormônio. De fato, a insulina é um neuropeptídeo, produzido e armazenado no cérebro, e há receptores de insulina no cérebro. Quando mapeamos a insulina, mais uma vez descobrimos ‘hot spots’(pontos de foco) na amígdala e no hipotálamo. Resumindo, fica cada vez mais claro que o sistema límbico, o trono das emoções no cérebro, é também o ponto focal de receptores para neuropeptídeos.






Outro ponto crítico. Enquanto estudamos a distribuição desses receptores, descobrimos que o sistema límbico não está apenas no cérebro dianteiro, nas localizações clássicas da amígdala e do hipotálamo. Percebe-se que o corpo possui outros locais onde se localizam muitos receptores diferentes de neuropeptídeos, locais onde há muita atividade química. Denominamos esses pontos de ‘pontos nodais’ e eles são anatomicamente localizados em áreas que recebem muita modulação emocional.






Um ponto nodal é a ponta dorsal (costas) da corda spinal, que é o ponto de entrada da informação sensorial. Esta é a primeira sinapse dentro do cérebro onde a informação sensorial do toque é processada. Descobrimos que para praticamente todos os sentidos dos quais conhecemos a área de entrada, o ponto é sempre um ponto nodal de receptores de neuropeptídeos.






Creio que essas descobertas têm implicações surpreendentes no entendimento e percepção do que as emoções fazem e realmente são. Consideremos a substância química angiotesin, outro hormônio clássico que também é peptídeo e agora revela-se como neuropeptídeo. Quando mapeamos os receptores de angiotesin no cérebro, mais uma vez descobrimos poucos ‘hot spots’ (pontos de foco) na amígdala. Há muito sabemos que o angiotesin media a sede, então mesmo se implantarmos um tubo na área do cérebro do rato que é rica em receptores de angiotesin e pingarmos um pouco de angiotesin pelo tubo, dentro de 10 segundos o rato começará a beber água, mesmo que já esteja saciado de água. Portanto, em termos químicos, o angiotesin traduz um estado alterado de consciência, um estado que faz os animais (e seres humanos) dizerem "Quero água". Em outras palavras, os neuropeptídeos nos levam a um estado de consciência e às alterações nesses estados.






Igualmente importante é o fato de que receptores de neuropeptídeos não estão apenas no cérebro, estão em todo o corpo. Mapeamos e demonstramos bioquimicamente que há receptores de angiotesin no rim, idênticos aos do cérebro, e de uma forma que ainda não entendemos completamente, os receptores localizados nos rins conservam a água. A questão é que a liberação do neuropeptídeo angiotesin, conduz tanto ao comportamento ou ato de beber como a conservação interna da água. Isto é um exemplo de como um neuropeptídeo que talvez corresponda a um estado de humor pode integrar o que acontece no corpo com o que acontece no cérebro. (Um outro ponto importante que apenas menciono aqui é que a integração geral do comportamento é aparentemente desenhada a ser consistente com a sobrevivência)






Minha especulação básica aqui é que os neuropeptídeos fornecem a base psicológica para as emoções. Como argumentei com os colegas em recente texto do Jornal de Imunologia2: O modelo notável da distribuição dos receptores de neuropeptídeos nas áreas reguladoras de humor no cérebro, como também seu papel na mediação da comunicação através de todo o organismo, faz dos neuropeptídeos o candidato óbvio a mediador bioquímico da emoção. Pode ser também que cada neuropeptídeo influencie o processamento da informação de forma única, ao ocupar os receptores nos pontos nodais no corpo e no cérebro. Se este for o caso, então cada neuropeptídeo poderá evocar uma ‘tonalidade’ única que seja equivalente a um estado de humor.






No início do meu trabalho, eu presumia casualmente que as emoções estavam na cabeça ou no cérebro. Agora eu diria que estão realmente no corpo também. Elas se expressam no corpo e fazem parte do corpo. Não posso mais fazer uma forte distinção entre o cérebro e o corpo.














Comunicar com o Sistema Imunológico.


Agora vou acrescentar o sistema imunológico à esse quadro. Já expliquei que o sistema hormonal, historicamente estudado como sendo separado do cérebro, é conceitualmente a mesma coisa que o sistema nervoso. Pacotes ?? de sucos são liberados e se dispersam para bem longe, agindo via a especificidade dos receptores em locais distantes de onde os sucos são armazenados. Portanto, a endocrinologia e a neurociência são dois aspectos do mesmo processo. Agora vou defender a posição de que a imunologia também faz parte desse sistema conceitual e não deve ser considerada uma disciplina separada.






Uma propriedade chave do sistema imunológico é que suas células se movem. Outrossim são idênticas às células estáveis do cérebro, com seu núcleo, membrana celular e todos os receptores. Monócitos, por exemplo, que ingerem organismos estranhos, nascem no tutano dos ossos, e depois se dispersam viajando pelos veias e artérias, e decidem o seu destino seguindo dicas químicas. Um monócito trafega pelo sangue e em determinado ponto chega à distância ‘farejável’ de um neuropeptídeo, e pelo fato de possuir receptores para um neuropeptídeo na superfície celular, ele começa literalmente a ‘quimotaxear’, ou engatinhar em direção aquele elemento químico. Isto está muito bem documentado, e há excelentes meios de estudá-lo em laboratório.






Agora, os monócitos são responsáveis não apenas pelo reconhecimento e digestão de corpos estranhos como também pela cura de feridas e mecanismos de reparo tecidual. Estamos, portanto, falando sobre células com funções vitais, de sustentação à saúde.






A nova descoberta que quero enfatizar aqui é que todo neuropeptídeo receptor que procuramos (utilizando um sistema preciso e elegante desenvolvido pelo meu colega Michael Ruff) está também nos monócitos humanos. Os monócitos humanos têm receptores opiáticos, para PCP, para outro peptídeo chamado bombasin, e assim por diante. Esses elementos bioquímicos que afetam as emoções de fato, aparentemente controlam o trajeto e a migração do monócitos que são os pivôs no sistema imunológico. Eles se comunicam com células tipo B e T, interagem no sistema inteiro para lutar contra uma doença e para distinguir entre ‘o self’ e o ‘não self’, decidindo, digamos, que parte do corpo constitui uma célula de tumor a ser destruída pelas células destruidoras naturais, e que parte deve ser restaurada. Espero que este quadro esteja claro para vocês.






Um monócito está circulando esse elemento sustentador da saúde do sistema imunológico trafegando pelo sangue, então a presença de um opiato o atrai e ele se conecta com o neuropeptídeo por que ele tem o receptor apropriado. Ele tem, de fato, muitos receptores diferentes para neuropeptídeos diferentes.






Constata-se contudo que as células do sistema imunológico não possuem apenas receptores para esses diversos neuropeptídeos; está se tornando claro que eles também produzem os próprios neuropeptídeos. Existem subconjuntos de células imunes que produzem beta endorfinas, por exemplo, e os outros peptídeos opiáticos. Em outras palavras, essas células imunes estão produzindo a mesma química que concebemos como controladores do humor dentro do cérebro. Elas controlam a integridade do tecido do corpo, e também produzem a química que controla o humor. Mais uma vez, cérebro e corpo.














A Mente como Informação


O que significam esses tipos de conexões entre o cérebro e o corpo? Normalmente nos referimos a eles como ‘o poder da mente sobre o corpo’. Pelo que sei, essa frase não descreve o que estamos tratando aqui. Vou mais além. Todos estamos cientes da parcialidade embutida na idéia Ocidental de que a consciência está localizada totalmente na cabeça. Creio que os resultados das pesquisas que descrevi indicam a necessidade de começarmos a pensar como a consciência pode estar projetada em várias partes do corpo. Quando documentarmos o papel chave que as emoções, expressas através das moléculas de neuropeptídeos, exercem ao afetar o corpo, se tornará claro como as emoções podem ser a chave para entender a doença. Infelizmente as pessoas que pensam sobre isso geralmente não trabalham em laboratórios públicos.






Meu argumento é que as três áreas clássicas da neurociência, endocrinologia, e imunologia, com seus vários órgãos, o cérebro ( que é o órgão chave do estudo dos neurocientistas), as glândulas, e o sistema imunológico (que consiste do baço, o tutano do ossos, os nódulos linfáticos e é claro, as células em circulação pelo corpo), estas três áreas são de fato ligadas entre si através de uma rede bi-direcional de comunicação e que os ‘carregadores’ de informação são os neuropeptídeos. Existem bem estudados substratos psicológicos que demonstram que há comunicação em ambas as direções entre cada uma dessas áreas e seus respectivos órgãos. Parte da pesquisa é antiga, parte dela é recente.






A palavra que merece destaque em relação a este sistema integrado é rede, que é proveniente da teoria de informação. Pois a base de tudo que estivemos falando é a informação. Ao pensar nessas questões portanto, talvez faça mais sentido enfatizar a perspectiva da psicologia, literalmente o estudo da mente, ao invés da neurociência. A mente é composta de informação, e tem um substrato físico, que é o corpo e o cérebro; e ela tem também outro substrato imaterial que tem a ver com a circulação do fluxo de informação: Talvez, então a mente seja a informação fluindo entre todas essas partes corpóreas. Talvez seja a mente que mentém a rede unida.














A Unidade da Variedade


O último ponto que vou levantar sobre os neuropeptídeos é surpreendente, na minha opinião. Como vimos, neuropeptídeos são moléculas sinalizantes. Elas enviam mensagens para todo o corpo (incluindo o cérebro). É claro que para ter tal rede de comunicação, é necessário componentes que falam e se ouvem entre sí (ou seja, se comunicam). Nessa situação que estamos analisando aqui, os componentes que ‘falam’ são os neuropeptídeos, e os que ‘ouvem’ são os receptores de neuropeptídeos. Como isso pode ser? Como podem de 50 a 60 neuropeptídeos serem produzidos, circularem e falarem com 50 ou 60 tipos de receptores ouvintes que estão em uma variedade de células? Como reina a ordem em vez do caos?






A descoberta que vou discutir não é totalmente aceita, mas nossos experimentos demonstram que ela é verdadeira. Não publiquei ainda mas acho que é apenas questão de tempo até todos poderem confirmar essas observações.






Há milhares de cientistas estudando os receptores de peptídeos opiáticos, e percebe-se que são muito heterogêneos. Todavia, toda a evidência laboratorial indica que de fato há apenas um tipo de molécula nos receptores opiáticos, uma longa corrente polypetídica cuja fórmula podemos escrever. Essa molécula é perfeitamente capaz de mudar sua configuração dentro de sua membrana para que possa assumir diversas formas.






Eu observei também que essa interconversão pode ocorrer em velocidade rápida, tão rápida que é difícil se saber em que estado ela se encontra em um determinado momento do tempo. Em outras palavras, os receptores possuem um caráter tanto ondulatório como de partícula, e é importante notar que a informação pode ser armazenada em forma de tempo dispensado em estados diferentes.






Conforme falei, a unidade molecular dos receptores é admirável. Consideremos o tetrahymena, um protozoário que é um dos organismos mais simples. Apesar de sua simplicidade o tetrahymena é capaz de fazer quase tudo que nós fazemos – come, faz sexo, e é claro produz os mesmos componentes neuropeptídicos dos quais já falamos. O tetrahymena produz insulina. Ele produz beta-endorfinas. Pegamos membranas de tetrahymena e estudamos em particular as moléculas dos receptores opiáticos contidas nelas; também estudamos receptores opiáticos em cérebros de ratos e nos monócitos humanos.






Acreditamos ter demonstrado que a substância molecular de todos os receptores opiáticos é a mesma. A molécula receptora de opiato do cérebro humano é idêntica aos componentes dos receptores de opiato naquele mais simples dos animais, o tetrahymena. Espero que a força disso esteja clara. O receptor opiático no meu cérebro e no seu cérebro é, na raíz, constituído da mesma substância molecular do terahymena.






Essa descoberta chega na simplicidade e unidade da vida. É comparável aos quatro pares baseados em DNA que são do código para a produção de todas as proteínas, que são o substrato físico da vida. Agora sabemos que nesse substrato físico existem apenas em torno de 60 moléculas sinalizadoras, os neuropeptídeos que são responsáveis pela manifestação fisiológica das emoções, poderíamos dizer, pelo estímulo das emoções, ou talvez ainda melhor, pelo fluir da energia. A forma protosoária do tetrahymena indica que as moléculas receptoras não se tornam mais complexas à medida que o organismo se torna mais complexo: os componentes moleculares idênticos para o fluxo de informações são conservados por toda a evolução. O sistema inteiro é simples, elegante e poderá muito bem ser completo.














A Mente está no Cérebro?


Falamos sobre a mente e surge a pergunta: Onde está localizada? Em nosso próprio trabalho, a consciência tem surgido no contexto do estudo da dor e o papel dos receptores opiáticos e endorfinas na modulação da dor. Muitos laboratórios estão medindo a dor, e todos nós concordaríamos que a região denominada cinza periaqueductal, localizada aproximadamente no terceiro ventrículo do cérebro, está repleto de receptores opiáticos, formando uma espécie de área de controle da dor. Descobrimos que esta região também está carregada de receptores para praticamente todos os neuropeptídeos que já foram estudados.






Atualmente todos sabem que há yogues que conseguem treinar-se até o ponto de não perceber a dor, dependendo de como estruturam sua experiência. As mulheres em trabalho de parto fazem a mesma coisa. Aparentemente o que acontece é que essas pessoas conseguem se conectar (plugar) com sua região cinza periaqueductal. De alguma forma elas obtêm acesso a ela com a consciência, creio eu, e estabelecem níveis de limites para a dor. Notem o que está acontecendo nestes casos. Nestas situações a pessoa tem uma experiência que traz consigo a dor, mas uma parte daquela pessoa conscientemente faz alguma coisa para que a dor não seja sentida. De onde vem esta consciência, essa consciência que de alguma forma se liga no cinza periaqueductal para que não sinta absolutamente nada?






Gostaria de voltar à idéia da rede. Uma rede é diferente de uma estrutura hierárquica que possui um local no topo. Teoricamente podemos conectar (plugar) a rede em qualquer ponto e chegar à outro ponto. Esse tipo de conceito me parece valioso no raciocínio sobre o processo pelo qual a consciência consegue alcançar o cinza periaqueductal e usá-lo para controlar a dor.






Tanto o yogue como a mulher em trabalho de parto utilizam uma técnica semelhante para controlar a dor com a respiração. Os atletas também usam essa técnica. A respiração é extremamente poderosa. Suponho que há um substrato físico para estes fenômenos, o núcleo do tronco cerebral. Eu diria que agora devemos incluir o núcleo do tronco cerebral no sistema límbico por que são pontos nodais, altamente encrustados de neuropeptídeos e receptores.






A idéia então continua assim: a respiração possui um substrato físico que também constitui um ponto nodal que é parte de uma rede de informação no qual cada parte leva a todas as outras partes, e assim por diante, e portanto, partindo do ponto nodal do núcleo do tronco cerebral a consciência consegue, entre outras coisas, se conectar ao cinza periaqueductal.






Acho que agora é posivel conceber a mente e a consciência como uma emanação do processamento de informação emocional, e como tal, a mente e a consciência seriam aparentemente independentes do cérebro e do corpo.






A MENTE PODE SOBREVIVER À MORTE FÍSICA?


Uma última especulação, talvez absurda, mas dentro do tema que me foi solicitado considerar para este simpósio sobre "Sobrevivência e Consciência". A mente pode sobreviver à morte do cérebro físico? Talvez agora devamos nos recordar de como a matemática sugere que as entidades físicas podem repentinamente sucumbir ou expandir infinitamente. Acho importante entender que a informação é armazenada no cérebro, e para mim é concebível que essa informação é capaz de transformar-se em alguma outra esfera. As moléculas de DNA certamente contêm a informação que constitui o cérebro e o corpo, e corpo-mente, parecem compartilhar as moléculas de informação que animam o organismo. Para onde vai a informação após a destruição das moléculas (a massa) que a compõem? A matéria nem pode ser criada nem destruída, e talvez o fluxo biológico de informação não possa simplesmente desaparecer com a morte e tenha que ser transformado em outra esfera. Quem pode racionalmente afirmar "impossível"? Ninguém até o momento conseguiu unir matematicamente a teoria de campo gravitacional com matéria e energia. A matemática da consciência ainda não foi abordada. A natureza da "outra esfera" hipotética está atualmente na dimensão mistica ou religiosa, onde a ciência Ocidental é claramente proibida pisar.